Anúncio
Anúncio

O tricolor paulista está passando por uma fase nada agradável nesta temporada. Há duas rodadas sem vencer no Brasileirão e há muitas sem conseguir sair da 11ª colocação, e estando a apenas 4 pontos do primeiro time na zona de rebaixamento, o Vitória (BA); o time comandado pelo técnico recém contratado Ricardo Gomes também não venceu na sua estreia na Copa do Brasil ao ser derrotado pelo placar de 2 a 1 para um clube que disputa a terceira divisão do Campeonato Brasileiro, o Juventude, de Caxias do Sul (RS), fato que gerou indignação e protestos da torcida são-paulina presente no Morumbi, na noite desta quarta-feira (24).

A contratação de reforços é tida como necessidade principal pela diretoria tricolor que, há duas semanas, busca nomes no mercado a fim de garantir um bom trabalho ao seu treinador.

Anúncio

Revelado pelo Vitória (BA) e fora dos planos de Celso Roth, Marquinhos, atacante do Internacional, é um dos cotados nos bastidores para integrar o elenco são-paulino. O jogador, de 26 anos, já vestiu as camisas do Cruzeiro, Palmeiras e Flamengo.

Fernando Carvalho, vice-presidente de Futebol do tricolor, nega que o clube esteja conversando com o atleta do Inter ou com algum agente ligado ao mesmo, mas admite que os dirigentes buscam reforços para reestruturar o elenco são-paulino até o fim de 2016, para garantir um time consolidado já na estreia da temporada 2017.

Sem nenhum novo nome e tendo de superar a ausência do zagueiro Rodrigo Caio, em viajem à Europa para cuidar da documentação referente ao seu pedido de cidadania italiana; o São Paulo receberá o Coritiba, no próximo domingo (28), no Estádio Cícero Pompeu de Toledo, às 16h, em partida válida pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Na 11ª posição na tabela, o tricolor tem a obrigação de vencer em casa, não sendo tolerável, nem ao menos, um empate.

Nesta quinta-feira, antes de iniciarem os trabalhos no gramado do CT da Barra Funda, jogadores, comissão técnica e dirigentes ficaram reunidos por cerca de 40 minutos para um debate sobre a crise que, aos poucos, se instaura no Soberano.