A torcida do Palmeiras está literalmente rindo à toa. Mesmo com a derrota ontem diante do Grêmio por 2 a 1, no primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil, o Verdão está dando motivos de sobra para comemoração. 

Líder do Campeonato Brasileiro com um ponto à frente do Flamengo e todas as projeções a seu favor, o Alviverde poderá ter uma grande notícia dentro de duas semanas. Fernando Prass, goleiro que fez cirurgia no cotovelo e ficou de fora da Olimpíada do Rio de Janeiro 2016, está perto do retorno.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

O Departamento Médico do clube projeta o retorno de Prass aos treinos efetivos em duas semanas. 

Quando retornar, o goleiro evitaria qualquer tipo de exercício de queda em campo.

Os treinamentos seriam voltados para fortalecimento muscular visando evitar problemas futuros, assim como foi em 2014 quando Prass sofreu o mesmo tipo de lesão, inclusive no mesmo local. 

Se o Palmeiras se classificar para a decisão da Copa do Brasil, o último jogo será no dia 30 de novembro. No dia 4 de dezembro tem jogo contra o Vitória, em Salvador, pelo Campeonato Brasileiro. Se a disputa do Nacional ainda estiver acirrada, o duelo na Bahia poderá definir o título. 

Mas e Jaílson?

O atual goleiro titular do Palmeiras sabe que quando Prass retornar será automaticamente titular. Por isso propostas devem chegar para o ex-goleiro do Ceará. Durante a semana passada surgiu algumas informações sobre uma possível sondagem do São Paulo, mas nada efetivo. O próprio clube vizinho do Verdão negou qualquer possibilidade. 

Jaílson terá seu contrato findado no fim do ano, mas o clube já apressa sua renovação.

Os melhores vídeos do dia

Já Vágner, ex-goleiro do Avaí e que não entrou bem quando Prass se machucou, não deve ter seu vínculo prorrogado. 

Nova diretoria

O Palmeiras terá uma nova diretoria a partir de dezembro. Maurício Galiote deve comandar o clube pelos próximos quatro anos após ser apontado por Paulo Nobre, atual presidente, seu sucessor. O prestígio de Galiote é tão grande que até a oposição resolveu não mandar candidato na disputa.