A segunda-feira, 14 de novembro de 2016, entrará para os anais da Confederação Brasileira de Basquete como um dia decepcionante. Isso porque a FIBA (International Basketball Federation), alegando completo descontrole por parte dos brasileiros, suspendeu a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) de todas as competições regidas pela instituição até, pelo menos, dia 28 de janeiro de 2017. A decisão foi tomada em um encontro com membros do Comitê Executivo, realizado na sede da entidade, em Genebra, na Suíça.

Para os gestores de torneios mundiais de basquete, a suspensão é necessária para que o Brasil "coloque ordem na casa" para cumprir determinados procedimentos obrigatórios a todos os integrantes da Federação Internacional de Basquete.

Ainda, segundo a FIBA, a Confederação Brasileira de Basquete recebeu todo o apoio e orientações da entidade internacional para a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016 mas, mesmo assim, não se adequou às exigências da Federação que criou, inclusive, uma força-tarefa para colaborar com a reorganização da CBB.

No último mês de setembro o espanhol Jose Luiz Saez, ex-presidente da Federação Nacional de Basquete da Espanha, foi nomeado pela FIBA como interventor na CBB a fim de organizar as contas da entidade brasileira que acumula dívidas de mais de R$ 15 milhões, desde o fim de 2015.

A Confederação Brasileira de Basquete usou como base a permanência de Saez na instituição para contestar a decisão da FIBA, alegando que o interventor já desembarcou ciente da ausência do Brasil em competições de base no país.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
NBA

Para a entidade nacional, a decisão da Federação Internacional é precipitada e surpreendente, uma vez que esperava, no máximo, uma advertência após parecer do interventor, que fora entregue à instituição.

Para a ex-jogadora Hortência, o basquete brasileiro precisa ser reinventado para, só daqui a uma década, voltar a colher bons frutos como nos tempos em que ela atuava.

Sem um plano B, a Confederação Brasileira de Basquete, agora, terá de criar uma estratégia e aguardar até a próxima reunião, que acontecerá em 28 de janeiro, quando a suspensão será reavaliada pela FIBA.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo