Com a demissão de Levir Culpi, Marcão recebeu a incumbência de dirigir o Fluminense. A princípio, o auxiliar-permanente ficaria como treinador até o encerramento da atual temporada, mas dois fatores podem fazer acarretar em sua efetivação no cargo.

O primeiro deles seria, como de se esperar, o desempenho do time nas últimas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro, especialmente se ele conseguir levar o Tricolor ao G-6 e, consequentemente, garantir presença na Taça Libertadores da América do ano que vem.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal PaixãoPorFutebol

Outro ponto está relacionado ao processo eleitoral que acontecerá no próximo dia 26 de novembro, na sede das Laranjeiras. Caso Pedro Abad, da Flusócio, candidato da situação, vença o pleito que definirá o presidente da agremiação no triênio 2017-2018-2019, as chances de o antigo volante, campeão carioca de 2002 e 2005, permanecer no comando do elenco do futebol aumentam consideravelmente.

Cacá Cardoso, Mário Bittencourt e Celso Barros também concorrem para assumir a cadeira ocupada, no momento, por Peter Siemsen.

As recentes atitudes vitoriosas tomadas por Flamengo e Botafogo de efetivarem "pratas-da-casa" como treinadores (Zé Ricardo e Jair Ventura, respectivamente) fizeram alguns conselheiros do Fluminense a levantar a hipótese de se fazer o mesmo com Marcão. Procurados, nenhum dos membros do atual departamento de futebol se pronunciou sobre o assunto.

A estreia de Marcão como técnico acontecerá na terça, às 17h (de Brasília), quando o Fluminense recebe, no Maracanã, o Atlético-PR, em confronto que abre a 35ª rodada do Brasileirão. Com 48 pontos, o Tricolor ocupa o nono lugar e precisa acabar com um jejum de seis partidas sem vencer para continuar buscando uma vaga na Libertadores.

Os melhores vídeos do dia

O confronto diante do Furacão deverá representar a volta de Diego Cavalieri. Recuperado de um estiramento muscular na coxa direita, o goleiro não entra em campo desde o feriado do dia 07 de setembro. Naquela ocasião, o Fluminense foi até a Arena da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro e perdeu o clássico para o Botafogo pelo placar de 1 a 0.