Depois de praticamente ‘nascerem de novo’, os dois jogadores da Chapecoense, Jackson Follmann e Alan Ruschel, bem como o jornalista e locutor esportivo, Rafael Henzel, estão bem e fora de perigo, podendo concluir o tratamento pós-acidente em suas respectivas casas, no Brasil. A viagem acontece nessa segunda-feira, 12, em horário ainda não divulgado.

As informações são do médico Edson Stakonski, da Chapecoense, que acompanha os brasileiros na Colômbia. Os três sobreviventes realizaram uma bateria de exames para verificar se podiam fazer a viagem de oito horas até o Brasil. Apesar dos medicamentos, escoriações e recuperação das recentes cirurgias que todos passaram, eles responderam muito bem ao tratamento e estão liberados para retornarem para suas casas.

Acredita-se que haverá uma grande festa no aeroporto para recebê-los.

Alan e Henzel serão levados para Chapecó, em Santa Catarina, já o goleiro Jackson Follmann irá para São Paulo, onde vivem os familiares. Os três estão muito felizes por voltar para o Brasil e têm demonstrado a sua gratidão a Deus por terem conseguido sobreviver ao acidente. Os familiares de Alan dizem que ele atribui sua vida a um milagre de Deus. O jogador também contou que trocou de lugar com um colega no avião, o que talvez, pode ter ajudado ele a sobreviver. Pelas redes sociais, Rafael também agradece ao Senhor pela vida.

O zagueiro Neto ainda não pode voltar para o Brasil, pois sua situação ainda é delicada. Os médicos começaram a diminuir a sedação e ele já consegue falar com os familiares, mas não se lembra do acidente e questiona as pessoas sobre o jogo da Chapecoense contra o Atlético Nacional, que ocorreria um dia depois do acidente, em 30 de novembro.

Os melhores vídeos do dia

O jogador precisa atingir um nível de estabilidade significativo para que tenha alta do hospital e possa seguir viagem sem qualquer problema. O jogador está com a esposa e alguns familiares no hospital.

Recomeçando a luta

A Chapecoense começou a luta para se reerguer nessa semana. Após contratar Vagner Mancini como técnico, o clube começa a analisar as possíveis contratações. Alguns jogadores, que não embarcaram para a viagem da Chapecoense, a maioria por conta de lesões, permanecem no clube, a não ser que sejam contratados por outro time, mas a Chapecoense precisa de mais jogadores e já avisa que não fará loucuras em contratações, mas que buscará jogadores ágeis para ajudar o time na primeira temporada após a tragédia, que começa em fevereiro.

Além do campeonato catarinense e do Campeonato Brasileiro, a Chapecoense disputará a Recopa, a Copa Sul-Americana, a Copa Libertadores, Troféu Joan Gamper e Copa Suruga.