O Mineirão havia sido inaugurado há pouco mais de um ano (5-09-1965). Ir ao Mineirão era uma festa, independente do jogo. Mas, naquela noite de quarta-feira, 30-11, havia um motivo especial: estaria em campo o Santos de Pelé, penta campeão da Taça do Brasil entre tantos títulos. Do ouro lado, o Cruzeiro que encantava os mineiros com suas exibições.

Mas o que ninguém esperava, aconteceu: ao final do primeiro tempo, o time azul do cruzeiro vencia Pelé e companhia por 5 a 0.

Publicidade
Publicidade

Estupefato, o repórter santista de rádio exclamava em altos brados em seu microfone: “Isso nunca aconteceu. O Santos vai virar”.

Mas, não virou e perdeu por 6 a 2.

Gol de cara

O time do Cruzeiro, que começou a ser montado em 1964 pelo presidente Felício Brandi já prevendo a era do Mineirão, tinha o goleiro Raul com sua camisa amarela, Procópio, Piazza, Tostão, Dirceu Lopes, Evaldo... Dirigido pelo técnico Ayrton Moreira era um grande time.

Publicidade

Do outro lado, estaria o Santos bicampeão mundial, diversas vezes campeão paulista e cinco vezes campeão da Taça Brasil.

No primeiro ataque cruzeirense, o lateral esquerdo Zé Carlos que sofreu para marcar o endiabrado ponta direita Natal, se atrapalhou e marcou contra: Cruzeiro 1 a 0.

O Santos nem havia se recuperado ainda quando, aos 5 minutos, Natal recebeu ótimo lançamento de Dirceu Lopes, passou por Zé Carlos e mandou para a redes de Gilmar.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Cruzeiro Santos

Cruzeiro 2 a 0.

Aos 20 minutos, Dirceu Lopes roubou a bola do zagueiro Oberdan e, da entrada da área, fez que chutou, jogando Gilmar para o canto esquerdo e mandando a bola para o vazo canto direito do melhor goleiro do Brasil. Cruzeiro 3 a 0.

Dirceu Lopes voltou a marcar aos 39, depois de um bombardeio azul à apavorada área santista. Cruzeiro 4 a 0.

O quinto gol nasceu, aos 41 minutos, de outra jogada espetacular do camisa 10 Dirceu que foi derrubado dentro da área: pênalti. Tostão cobrou e marcou. Cruzeiro 5 a 0.

Cadê Pelé?

O time do Santos era pálida imagem do bicampeão do mundo. Parecia um bando de garotos apavorados em campo. Pelé, o rei Pelé, era severamente marcado pelo zagueiro Procópio que não lhe dava espaço.

O meio-campo cruzeirense era compacto, formado por Piazza e Dirceu Lopes, mas contando com a ajuda de Evaldo e Tostão que voltavam para marcar. Os dois pontas cruzeirenses, Natal pela direita e Hilton Oliveira pela esquerda eram muito velozes e bons dribladores.

Publicidade

No segundo tempo, o Santos esboçou reação.

Jogando como o grande Santos, alvinegro marcou dois gols em 10 minutos, ambos por Toninho. Mas o time do Cruzeiro voltou a jogar o seu futebol, passou a tocar a bola e manteve o resultado até o final: 6 a 2.

No dia 7 de dezembro de 1966, o jogo de volta, num Pacaembu também lotado e sob forte chuva. O Santos fez 2 a 0, gols de Pelé e Toninho, e tudo indicava que a goleada seria devolvida.

Publicidade

E a situação dos mineiros ficou ainda mais difícil quando Tostão perdeu um pênalti que o goleiro Cláudio defendeu.

Porém, o mesmo Tostão iniciou a reação ao fazer um gol de falta. Depois, Natal e Dirceu Lopes completaram a virada: 3 a 2, Cruzeiro campeão da Taça Brasil.

Foi a partir daí que o Cruzeiro ganhou o Brasil e o Mundo.

Ficha técnica

Data: 30 de novembro de 1966.

Local: Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão).

Juiz: Armando Marques (RJ)

Público: 77.325 (pagantes)

Os times:

Cruzeiro EC: Raul; Pedro Paulo, Willian, Procópio e Neco; Wilson Piazza, Dirceu Lopes e Tostão; Natal, Evaldo e Hilton Oliveira. Técnico: Airton Moreira.

Santos FC: Gilmar; Carlos Alberto Torres, Mauro Ramos, Oberdan e Zé Carlos; Zito e Lima; Dorval, Toninho Guerreiro, Pelé e Pepe. Técnico: Lula.

Placar: Cruzeiro 6×2 Santos.

Gols: Zé Carlos-SAN (contra) aos 1′; Natal-CRU aos 5′; Dirceu Lopes-CRU aos 20′ e 39′ e Tostão-CRU (pênalti) aos 42′ do 1º T. Toninho Guerreiro-SAN aos 6´ e 9´e Dirceu Lopes-CRU aos 27´do 2º T. Expulsões: Procópio-CRU e Pelé-SAN, aos 30´do segundo tempo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo