Em uma entrevista reveladora ao Fantástico, da Rede Globo, Erwin Tumiri, comissário boliviano e sobrevivente da tragédia com o voo da Chapecoense, revelou mais detalhes do acidente que vitimou 71 pessoas. Ele voltou à Bolívia neste final de semana e conversou com a equipe da Globo em um hospital de Cochabamba.

Tumiri diz que ainda não viu o vídeo que circula nas redes sociais e que mostra ele sendo resgatado. O tripulante também conta que ajudou a salvar Ximena Suarez, que também fazia parte da tripulação do voo da Lamia na última segunda-feira.

"Eu ainda não vi o vídeo (...) No momento do Acidente, era como um pesadelo, nem eu mesmo acreditava.

Pensei: 'o que foi que aconteceu?'. E o que eu fiz foi pegar a lanterna, iluminar e gritar por socorro. Pisquei com a lanterna para que me vissem e ouvissem. Ximena estava a cinco metros de mim. Levantei do chão assustado, como se eu estivesse dormindo. Levantei de repente e corri até ela. Eu a soltei, ela estava presa. Ela gritava e quando me viu foi se acalmando. Disse: "Vamos embora". Eu via a direção do aeroporto, mas era mato", revelou.

Tumiri confessou que viu muitos corpos espalhados pela terra, mas lamentou não ter muito o que fazer para ajudar.

"Eu vi muitos corpos espalhados, mas não tinha o que fazer. Não via sinais de vida e me preocupava com que o avião pudesse explodir, por isso me afastei com Ximena", disse.

Caio Jr, técnico da Chapecoense, também foi uma das vítimas do acidente.

Os melhores vídeos do dia

Antes de falecer, ele agia como o bom treinador que sempre foi e estava ensinando alguém. Não a dar um passe ou a se posicionar em campo, mas a falar em português. Caio recebeu a companhia de Tumiri e ensinou algumas frases da língua utilizada no Brasil.

"Eu falei com o técnico Caio Jr e ele estava me ensinando a falar português. Quando mandaram afivelar os cintos, todos voltaram às poltronas, mas aí caiu luz e começou a vibração. Apenas ouvi, e não me lembro de mais nada. Depois, acordei e me levantei do chão", confessa Erwin.

Por fim, o boliviano negou que tenha ficado em posição fetal e com uma mala entre as pernas na hora do acidente, já que, segundo ele, ninguém estava esperando pela queda e não houve aviso algum para os passageiros quanto a um eventual problema.