O zagueiro da Chapecoense, Neto, é o sobrevivente da tragédia aérea que abateu o time que mais inspira cuidados. Por esse motivo, vai demorar mais até que ele saiba toda a verdade.

A decisão é da equipe médica que cuida do atleta e foi tomada após o parecer da psicóloga do hospital onde ele está internado. Ela disse que o choque da notícia poderia agravar a sua recuperação, que por enquanto ainda é muito lenta e complexa.

A profissional orientou os médicos depois que o jogador acordou e começou a perguntar sobre o resultado da final com o Atlético.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Polícia

Ele também fez indagações do motivo de estar com tantos machucados.

A equipe está certa de que ele não se lembra do Acidente aéreo que matou a delegação da Chapecoense, no último dia 29 de novembro, próximo ao aeroporto de Medellín, na Colômbia.

Em entrevista concedida à imprensa, o médico do time, Carlos Mendonça, explicou que a recomendação de deixar Neto alheio aos fatos é fundamental para preservar um bom estado emocional e evitar qualquer desequilíbrio psicológico que possa influenciar seu organismo. Ter esse tipo de comoção pode gerar depressão e acarretar em desdobramentos clínicos desfavoráveis.

Além do zagueiro, também se recuperam outros três brasileiros: os jogadores Alan Ruschel e Jackson Follmann, além do repórter Rafael Henzel. Eles já sabem de tudo o que aconteceu e alguns até mandaram mensagens aos torcedores.

Neto é o paciente que mais causa preocupação, embora tenha saído do coma induzido e já respire de forma espontânea. Ele teve de ficar com aparelhos ligados aos pulmões por nove dias, período em que teve de vencer uma infecção pulmonar.

Os melhores vídeos do dia

Segundo o médico, os próximos dois dias são cruciais para a sua recuperação, pois é quando o pulmão terá de reaprender a respirar sozinho, sem a ajuda dos ventiladores. Até o momento ele tem respondido bem.

Como todo o mundo já sabe, ao todo 71 pessoas perderam a vida no acidente de avião. Na lista de mortos estão 19 jogadores e 24 membros da delegação catarinense. Há também muitos jornalistas e toda a tripulação, exceto o técnico da aeronave, Erwin Tumiri, e a comissária de bordo, Ximena Suárez.