Recentemente, tivemos os Jogos Olímpicos no Brasil e mesmo assim a história das mulheres no Esporte brasileiro não teve o destaque que merecia. Quem conhece a história de Maria Lenk, Aída dos Santos, Léa Campos, Jaqueline Silva e Sandra Pires, entre outras tantas heroínas do esporte nacional?

As mulheres tiveram as primeiras participações em Jogos Olímpicos a partir de 1900, porém, a primeira brasileira só participou em 1932.

O nome dela era Maria Lenk, uma garota de 17 anos, a primeira sul-americana a participar de uma Olimpíada.

Maria Lenk foi a rainha das piscinas, e hoje dá nome a um importante torneio nacional de natação. Mesmo com o pioneirismo da nadadora, a vida das atletas brasileiras não foi fácil. Enquanto a participação masculina crescia, as mulheres não tinham representatividade e nem respeito dos órgãos que dirigiam o esporte no Brasil.

Em 1964, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Aída dos Santos contra a vontade de dirigentes foi a única Mulher da delegação e a primeira atleta negra a representar o Brasil. Ajudada por membros de outras equipes, já que não tinha equipamentos de competição, Aída conquistou o incrível quarto lugar no salto em altura. Esse resultado perdurou por muitos anos como a melhor marca de uma atleta brasileira em Jogos Olímpicos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Mulher

Os homens recebiam apoio e conquistavam resultados, as mulheres tiveram que enfrentar discriminação, preconceito e até leis que as impediam de praticar esportes.

O governo de Getúlio Vargas, através do Decreto-Lei 3.199, proibiu as mulheres de praticar esportes que não eram compatíveis com a sua natureza, incluindo futebol, lutas, pólo aquático, beisebol e rugby. Essa lei só foi revogada no início dos anos 80.

Claro que as mulheres, lutaram contra e praticavam os esportes "proibidos" escondidas e chegaram até a organizar torneios "clandestinos" de futebol.

Ainda falando de futebol, tivemos a primeira árbitra a ser reconhecida pela FIFA , Léa Campos. Porém, apesar de Léa frequentar a escola de arbitragem em Minas Gerais no ano de 1967, foi impedida de se formar e só consegui atuar nos campos em 1971 com autorização do Presidente do Brasil, na época o General Médici.

Voltando aos Jogos Olímpicos, as mulheres só foram conquistar suas primeiras medalhas em 1996, com o vôlei de praia. A primeira medalha dourada veio pelas mãos (literalmente) de Jaqueline e Sandra.

Em 22 participações brasileiras em Olimpíadas tivemos apenas duas porta bandeiras, a última Yane Marques, atleta do Pentatlo Moderno foi escolhida pelo público em voto popular.

Além do vôlei, outro esporte em que as brasileiras se destacam é o judô, esporte que de acordo com aquela lei de 1941, não era compatível com a natureza feminina.

Entre essas guerreiras do tatame temos, Ketleyn Quadros, primeira brasileira a conquistar medalha em modalidade individual, Mayra Aguiar duas vezes medalhista olímpica e as campeãs olímpicas Sarah Menezes e Rafaela Silva. Vale também mencionar Maurren Maggi, primeira mulher a conquistar medalha de ouro em esporte individual seguindo os passos de Aída dos Santos que 44 anos antes abriu as portas do atletismo para as mulheres. E o que dizer das surpreendentes Martine Grael e Kahena Kunze que trouxeram do mar uma medalha dourada, através de uma modalidade tão elitista como a vela.

O esporte para as mulheres no Brasil nunca foi fácil, temos ainda que nos levantar e aplaudir mulheres como Marta e Formiga, além de todas as pioneiras jogadoras que nunca nos deixaram perder a fé e o encanto com nosso futebol. A lutadora no ringue e na vida Adriana Araújo, que teve a honra de ganhar a centésima medalha do esporte olímpico brasileiro. E o que dizer de Hortencia e Paula e toda a equipe do basquete feminino que por duas vezes nos presentearam com medalhas cheias de histórias de lutas, dedicação e força. Uma salva de palmas também para Poliana Okimoto, Natália Flavina, Shelda, Mônica Rodrigues, Adriana Samuel, Adriana Behar, Larissa França, Juliana e todas as atletas do nosso Brasil.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo