Anúncio
Anúncio

Um clube de Futebol brasileiro rescindiu o contrato com quatro jogadores. Tudo aconteceu após os atletas se terem envolvido em atividade sexual proibida, dentro dos vestiários do clube. A diretiva do Sport Club Gaúcho, time da terceira divisão estadual, na cidade de Passo Fundo, no interior do Rio Grande do Sul, teve mão pesada e tomou a ação inédita, revogando os contratos com os quatro homens. A decisão bombástica acontece dias depois de o vídeo de sexo ter viralizado na internet.

De acordo com a imprensa, os jogadores eram titulares neste time da terceira divisão. Porém, sua identidade está sendo protegida e o clube não avançou com os nomes, apesar de confirmada e oficializada a decisão. As imagens foram supostamente filmadas na última sexta-feira (30) e, pouco depois, o vídeo já era um sucesso na internet.

Anúncio

Nas imagens, se pode ver um jogador masturbando dois colegas, enquanto que um quarto participante está gravando tudo com o celular. Os quatro envolvidos foram identificados pelo clube e prontamente castigados, com a expulsão imediata do time.

O presidente do clube, Gilmar Rosso, que é também militar e professor de sociologia, teve uma reunião de emergência com os atletas, quando se decidiram pela demissão. Entretanto, o presidente já foi alvo de algumas críticas, por alegadamente ele ter tomada uma decisão baseada em alguma homofobia.

Gilmar Rosso nega, garantindo que o que está em causa é a prática sexual no interior do vestiário e não as preferências sexuais de seus jogadores. O presidente disse que se os atos fossem heterossexuais, a decisão tomada seria exatamente a mesma.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

"O que houve foi um ato de indisciplina", garantiu Gilmar Rosso, antes de referir que seu time foi um dos primeiros em aceitar uma torcida gay, a Coligay, formada em 1980.

Para a decisão tomada, ele informou que todos os jogadores sabiam que não poderiam protagonizar qualquer vídeo, sem a autorização do time. Foi essa a regra que eles infringiram e, por isso, foram expulsos. "Não somos guardas morais e não temos o poder da polícia para controlar o que os jogadores fazem em seus dias de folga", disse o presidente do time, em declarações para o jornal gaúcho Zero Hora.

Esse vídeo sexual não é inédito no mundo do futebol. Em outubro passado, o Eibar, da Espanha, teve dois jogadores seus envolvidos em um trio, com uma garota, e o vídeo acabou na internet.

Anúncio

Na época, a direção não optou pela expulsão e os jogadores continuaram atuando no time.

No entanto, esse vídeo não foi gravado no interior do clube. Por essa razão, a decisão da diretiva do Sport Gaúcho é inédita, após eles terem decidido expulsar os quatro atletas.