Na fria manhã deste domingo, o Fluminense realizou mais um treino fechado no CT Pedro Antônio, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, encerrando a sua preparação para o confronto de segunda, às 20h (de Brasília), no Maracanã, diante do Atlético-MG, no fechamento da 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A atividade durou pouco mais de uma hora e foi dividida em duas partes. Inicialmente, o técnico Abel Braga deu atenção exaustiva aos lances de bola parada. Em seguida, houve um trabalho tático em campo reduzido. Mesmo bastante exigidos, os jogadores demonstraram total animação durante todo o treinamento.

O time segue indefinido.

A única dúvida está na lateral-esquerda. Titular no empate de 0 a 0 com o Santos na última segunda, no Pacaembu, Léo disputa a posição com Marlon. A definição só será conhecida momentos antes do início da partida contra o Galo.

Após o treino, o elenco seguiu direto para um hotel na zona sul do Rio onde ficará concentrado. Com 27 pontos e em 10º lugar, o Fluminense, precisando vencer para não ficar mais distante do G-6 do Brasileirão, grupo daqueles que estarão na próxima Taça Libertadores da América, entrará em campo com Júlio César, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo (Marlon); Orejuela, Marlon Freitas, Wendel e Gustavo Scarpa; Wellington Silva e Henrique Dourado.

Simultaneamente ao trabalho dentro de campo, fora dele, a diretoria promove ações de marketing para angariar recursos financeiros e conclamar a presença da torcida.

A primeira novidade ficou na confirmação do Maracanã como palco dos jogos com mando do Fluminense até o final da atual temporada. A segunda foi o relançamento do "Tricolor de Coração", um programa de associação que, dentre várias vantagens, garante ao torcedor o desconto de 100% na compra dos ingressos e, depois de dois anos de adesão, o direito de participar das eleições para presidente do clube.

Nem tudo, porém, é tranquilidade nas Laranjeiras. Segundo reportagem publicada pelo jornal O Globo na última sexta, o Fluminense é o quarto clube com mais dívidas trabalhistas, aproximadamente 168 processos, o que gera um montante de R$ 265 milhões. Além disso, o Tricolor ainda corre atrás para concluir as obras do CT Pedro Antônio. De acordo com cálculos da própria diretoria, o empreendimento necessita de uma injeção de R$ 11 milhões (R$ 5 milhões da rua de acesso, R$ 4 milhões de acabamentos e outros R$ 2 milhões voltados ao muro que cercará o local) para ficar conforme o planejado.