O Palmeiras [VIDEO] vai enfrentar a Chapecoense, domingo, às 16h, pelo Campeonato Brasileiro. O Verdão ocupa a quarta posição na tabela com 33 pontos e pode encostar no Santos que, atualmente, tem 36. Tanto o Verdão quanto o Alvinegro praiano empataram na última rodada. Portanto a distância se manteve inalterada.

O técnico Cuca acompanhou o treinamento nesta terça-feira e foi convocado para falar na coletiva. Dentre vários assuntos, o comandante negou que Alejandro Guerra e Moisés vão jogar juntos, mas disse que existe uma possibilidade dependendo da condição física de cada.

O objetivo palmeirense no campeonato é a vaga para a Copa Libertadores da América, mas Cuca ressaltou que ainda tem um fundo de esperança na luta pelo título.

O líder Corinthians está há 14 pontos na frente e tem um jogo à menos ainda, podendo chegar a 17 pontos.

Laterais confirmadas

Cuca não costuma falar sobre a escalação, mas confirmou as laterais. O lateral-direito, Jean, segue como titular na posição e o lateral-esquerdo Michel Bastos também. Ambos os atletas enfrentaram o Vasco e Cuca quer manter a formação para aprimorar.

Egídio ainda vai ficar de fora do time. Cuca assumiu a responsabilidade pela não escalação do jogador e defendeu sua postura de treinar "tranquilinho" e todos os dias. O jogador está prestes a completar 100 jogos pelo Palmeiras e o treinador garantiu que esse feito será confirmado. A ideia de manter Egídio na reserva é preservá-lo de cobranças bruscas da torcida, que vai reencontrar a equipe que foi eliminada da Libertadores no domingo.

Egídio pode ser hostilizado e isso não seria bom, ao ver de Cuca.

Punição

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva puniu o Palmeiras com sete jogos sem torcida visitante e sete jogos sem organizadas como mandante. Tanto o técnico Cuca quanto [VIDEO]o presidente Maurício Galiotte não gostaram da postura do órgão e rebateram. O clube vai buscar com seus advogados uma forma de recorrer da decisão. Galiotte achou a punição um pouco excessiva e exige que o STJD refaça a sentença.

Desde a saída do presidente Paulo Nobre do comando, a diretoria do clube se reaproximou das organizadas. Galiotte sempre manteve uma postura conciliadora sobre tudo no Palmeiras e não seria diferente no relacionamento com as torcidas. Ele sofre graves cobranças por isso, já que parte dos conselheiros e diretoria são contra esse diálogo mais próximo.

Depois do jogo contra a Chape o Verdão pega o São Paulo também no Allianz Parque.