O Palmeiras [VIDEO] caiu na Copa Libertadores há duas semanas atrás diante do Barcelona-EQU nos pênaltis. De lá para cá algumas coisas mudaram. O lateral-esquerdo Egídio, por exemplo, errou o último pênalti e foi sacado do time. Michel Bastos ganhará sequência para tentar se firmar.

Além disso, o mandato de Maurício Galiotte, atual presidente, não é mais considerado como bom internamente. Conselheiros [VIDEO] e sócios ligam diariamente para o mandatário oferecendo conselhos e sugestões para a mudança dos rumos do clube. Pedem também com certa insistência que o executivo Alexandre Mattos seja demitido. Na opinião da maioria, Mattos errou feio no planejamento e 'picou' dinheiro do clube ao trazer alguns nomes desnecessários.

Dois jogadores vão sair

Tanto a diretoria quanto a comissão técnica, liderada pelo técnico Cuca, sabem que o Palmeiras deve perder dois jogadores até dezembro. Vamos aos casos:

Yerry Mina

O zagueiro colombiano tem um pré contrato com o Barcelona e pode deixar o clube já em dezembro. Recuperando-se de cirurgia no metatarso do pé direito, o jogador pode já ter se despedido do Palmeiras. O time catalão vai pagar 9 milhões de euros (R$ 33,5 milhões) para ter o atleta.

Em viagem recente, Galiotte foi até a sede do Barcelona conversar com dirigentes espanhóis e aproveitou para concluir o empréstimo do atacante Vitinho. Na conversa, o presidente palmeirense pediu um tempo estendido para ficar com Mina visando a próxima edição da Libertadores. A resposta não veio.

Para o lugar de Mina, o zagueiro Emerson Santos, do Botafogo-RJ, foi contratado.

Santos só chega em janeiro e tem condições de assumir a titularidade. Cuca no entanto não vê o jogador como absoluto na posição e o clube pode partir para novos nomes em breve.

Miguel Borja

Borja é disparadamente a maior decepção palmeirense nos últimos anos. Contratado sob os holofotes de ídolo e Salvador da Pátria, o atacante não representou e não mostrou em campo nem uma parte do que mostrou no Atlético Nacional.

O Palmeiras não vê problema nenhum em liberar o jogador, desde que receba o mesmo valor que pagou. De acordo com o jornal Tuttomercado, o Sampdoria está de olho em Borja. O Olympique de Marselha, da França, também já realizou pesquisas sobre o negócio e não deu andamento ainda.

Para ter Borja, o Verdão desembolsou mais de R$ 33 milhões. Uma proposta mínima aceitável seria por esse valor, mas o desempenho do jogador não tem ajudado na maximização da pedida.