De acordo com Cyril Abiteboul, chefe da equipe Renault de Fórmula 1, caso Jolyon Palmer melhore seu rendimento na segunda parte da temporada de 2017, pode ter seu contrato renovado para 2018. Vale lembrar que nas 11 corridas disputadas até aqui, perdeu feio para o seu companheiro de equipe, Nico Hulkenberg, e tem a sombra de Robert Kubica, piloto polonês que tem o apoio dos fãs da categoria e de toda a mídia.

“Queremos estabilidade na equipe e isso é bom para todos. Se ele [Palmer] conseguir dar a voltar por cima, pode continuar mais um ano conosco. Tudo está nas mãos dele. Ele sabe que está no seu último ano de contrato e que temos de ver várias opções para o futuro.

Já vimos várias coisas boas do Jo, mas ele perdeu muita confiança com alguns erros ou por não ter conseguido agarrar algumas oportunidades. É isto que lhe tem causado mais dificuldades”, disse o diretor da Renault Sport.

Enquanto a dúvida permanece, Kubica vem em uma escalada de sucesso e vem mostrando, teste após teste, que é capaz de voltar a pilotar em alto nível um carro de F1. Tanto isso é verdade que, segundo o site Naccar, em um dia de testes na Hungria, o polonês completou o equivalente a dois Grandes Prêmios de Fórmula 1 em um circuito que exige bastante do piloto e conseguiu registrar o 4º melhor tempo até ali.

Antes disso, o piloto ainda realizou testes em Paul Ricard com o Renault E20, mesmo carro em que Kimi Raikkonen disputou corridas pela extinta equipe Lotus, conseguindo bons resultado naquela temporada.

Foi neste carro, inclusive, que Robert Kubica despertou o interesse real dos dirigente da equipe Renault, mostrando que ainda poderia guiar um carro de Fórmula 1 em bom nível. Nesta oportunidade, inclusive, Kubica registrou tempo melhor que o piloto de testes da equipe Renault, Sergey Sirotkin, embora o tempo marcado não tenha sido divulgado.

Enquanto o mistério de quem dividirá o box da equipe Renault com Nico Hulkenberg em 2018, até pelos resultados obtidos e pelo apelo do público, Robert Kubica continuará com uma programação de testes e o mais provável é que ele substitua o próprio Jolyon Palmer na sexta-feira de testes do GP da Itália. É provável, ainda que este fato se repita até o fim da temporada.

Com estes resultados comparados, caberá a Cyril Abiteboul e todo alto escalão da Renault fazer uma "difícil" escolha:

  • Conseguir resultados mais expressivos durante os GPs da temporada de 2018;
  • Garantir o gigantesco aporte financeiro levado por Jolyon Palmer.

Se você estivesse no lugar dos dirigentes franceses, que escolha faria?