Renata Spallicci é uma pessoa que parece gostar de superar os próprios limites e mostrar a que veio. Vinda de um histórico de bullying na infância e depressão, hoje ela é uma das embaixadoras do fitness e do esporte no Brasil da WBFF, e ganhou o apelido na mídia brasileira de "Executiva Sarada" por seu corpo trabalhado. Um exemplo de mudança de vida e superação. Conversamos com Renata, que nos contou um pouco mais acerca do seu processo de preparação para disputar o Mundial de fisiculturismo nos Estados Unidos. Atualmente em fase de cutting, Renata está seguindo uma dieta especial para definição muscular, e em um rigoroso processo de preparo físico com intensificação dos exercícios.

Haja disciplina e dedicação para conseguir chegar lá.

Além de Atleta profissional WBFF (World Beauty, Fitness & Fashion), Renata também é blogueira, escritora, empreendedora e coach. Ela se divide entre ser CEO da Apsen Farmacêutica, empresa de sua família, presidente da Editora Legacy, e ainda levar uma rotina de dieta e exercícios de atleta de fisiculturismo de nível internacional, bastante focada nas competições que a esperam ainda esse ano. A pergunta mais óbvia seria: como ela consegue? Não sabemos.

Visivelmente animada com a competição, a atleta de 35 anos demonstra positividade e expectativas altas sobre sua performance, ao falar conosco sobre sua rotina semanas antes de disputar o torneio Mundial. Ela diz que como faltam menos de duas semanas, precisa diminuir a retenção de líquidos, então sua alimentação está a base de proteína, em especial de peixe branco.

Para alcançar tais objetivos, ela conta que está sempre em contato com sua nutricionista e o seu personal coach, que são essenciais para alinhar sua rotina aos seus propósitos. Ela mostra confiança de que irá bem na competição e que chegará ao final com a sensação de dever cumprido.

Renata mostra estar contente com o que já foi alcançado, mas inquietude e insatisfação com o status quo, em se acomodar com o patamar atingido e com os progressos que, apesar de impressionantes, ainda não parecem ser plenamente suficientes para ela, que diz querer sempre mais.

A reta final da competição tem sido a fase mais difícil, pois é nessa fase que se intensificam os trabalhos. Renata acredita que nessa fase, o treino se torna mais mental do que físico, e que fecha os olhos e já se imagina com a coroa na cabeça, o troféu de campeã em mãos, com os pés sobre o palco e os olhos com a visão clara de uma platéia celebrando com ela sua vitória. "É um exercício da mente sobre o corpo", declara.