O Brasil foi um dos primeiros países a conhecer o esporte, através de Augusto Shaw, um norte americano natural de Clayville, região de Nova York, que conheceu o esporte na faculdade de Yale em 1892, onde se formou como bacharel em Artes. Após receber um convite da tradicional Mackenzie College em São Paulo para lecionar, Shaw trouxe ao Brasil, dentro de uma mala, inúmeras roupas e livros, mas também uma bola de basquete. Iniciou assim a apresentação do esporte para seus alunos e alunas. A princípio, o esporte foi recebido positivamente somente pelo público feminino. Após muita conversa com seus alunos do sexo masculino, o professor conseguiu convencê-los de que o Basquete também poderia ser praticado por homens, começando aí toda a trajetória desse incrível esporte.

Por conta da disputa com o futebol trazido ao país um ano antes por Charles Miller, o basquete não obteve tanta aceitação por uma nação que já tanto amava o futebol. Em 1914 foi criada a Federação Brasileira de Sportes, que regulamentava o futebol, já o basquete somente criou uma federação em 25 de dezembro de 1933, cujo o nome era Federação Brasileira de Basketball e quem em 1941 passou a se chamar, Confederação Brasileira de Basketball.

Aceitação Nacional

Somente em 1912 existiu a aceitação nacional quando o professor Oscar Thompson, da escola nacional de São Paulo, e Henry J. Sims, então diretor de Educação Física da Associação Cristã de Moços (ACM), do Rio de Janeiro, realizaram o primeiro torneio de basquete. O torneio contou com a ajuda da ACM (American Futebol Clube) de Santiago para inserir o então basquete no clube da rua Campo Salles, localizado na Tijuca.

Os melhores vídeos do dia

Falta de incentivo

O basquete brasileiro já sofreu diversas mudanças estruturais, mas que somente obtiveram resultados positivos a médio e curto prazo; dentro da quadra os resultados não foram tão convincentes. Por conta da falta de patrocínio, que geralmente são atraídos pelos times de futebol, diversos clubes sofrem com a falta de verba para manter seus jogadores e pagar pelas despesas geradas mensalmente

Por conta da falta de publicação nas mídias abertas, o basquete sofre com a falta de patrocínio. A maioria dos jogos são transmitidos em canais pagos que não atrai interesse do público. Com a concorrência por espaço no cenário nacional, o basquete cada vez mais vai se tornando um esporte de difícil acesso nas mídias e consequentemente vai ficando obsoleto no gosto do público brasileiro, infelizmente.

Patrocínio

Como comparar os ricos times brasileiros de futebol com os times de basquete? Sendo que até mesmo os pequenos times de futebol, tem uma maior renda dos que os grandes times nacionais do basquete. Quando as mídias abertas cederem espaço para o esporte que utiliza um armador, dois alas e dois pivôs, talvez o esporte consiga atrair mais patrocínios e assim se firmar melhor dentro do território nacional. Ganhando assim, uma melhor visualização e espaço.