A dúvida do técnico Reinaldo Rueda sobre quem será o goleiro titular do Flamengo na decisão da Copa do Brasil [VIDEO], no próximo dia 27, contra o Cruzeiro, em Belo Horizonte, pode ter chegado ao fim. Mas não da maneira como o treinador gostaria. Após reclamar de dores no punho durante os treinos da última sexta-feira (16), o goleiro Thiago teve constatada uma fratura.

Como Diego Alves não está inscrito na competição, restou apenas o goleiro Alex Muralha para defender o clube na final, que pode ter decisão por pênaltis caso o jogo termine empatado, independente do placar, uma vez que na final o gol fora de casa não é levado em conta.

No jogo de ida, os times empataram em 1 a 1.

Segundo o médico Márcio Tannure, chefe do departamento médico do clube, o jogador teve uma fratura no osso escafoide. Ele disse ainda que o tratamento deve ser conservador, porém há a opção de se fazer uma cirurgia.

O jogador ganhou a posição de titular na primeira partida da decisão. Apesar de ter feito uma grande defesa, ele acabou falhando no gol de empate cruzeirense, o que lhe rendeu muitas críticas.

Na última partida do Flamengo, disputada na última quarta-feira (13), pela Copa Sul-Americana, Rueda surpreendeu a todos ao escalar Diego Alves como titular. A expectativa é que ele escalasse Tiago ou Muralha para dar ritmo de jogo àquele que seria o escolhido para defender a meta rubro-negra na decisão da Copa do Brasil.

O Flamengo volta a jogar neste domingo (17), contra o Sport Recife, em duelo válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Rueda ainda não revelou qual será seu goleiro titular. No Brasileirão, o Flamengo está na quinta colocação, com 35 pontos, porém tropeço diante do time pernambucano poderá tirá-lo da zona de classificação para a Libertadores.

Everton

Já sem poder contar com vários jogadores na final da Copa do Brasil por não terem sido inscritos no prazo, o Flamengo, além de Tiago, tem ainda outro grande problema para a decisão. Exames confirmaram uma lesão de grau 2 na panturrilha direita do meia-atacante Everton, sofrida no jogo da última quarta-feira (13), contra a Chapecoense, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O jogador deixou a partida ainda na metade do primeiro tempo.

Com isso, sua presença no jogo do dia 27, no Mineirão, ainda é incerta. Ele tem passado por tratamento intensivo, mas a cicatrização dura em média duas semanas, que era exatamente o tempo que faltava para a final da Copa do Brasil quando ele sofreu a lesão.