Inspirado por #ronaldinho Gaúcho, o camisa 10 do Paris Saint-Germain (#PSG) e da Seleção Brasileira Neymar [VIDEO] deixou um golaço no Estádio Constant Vanden Stock, diante do Anderlecht, na Bélgica, em partida válida pela terceira rodada do grupo B da Liga dos Campeões, nesta quarta-feira (18).

Em falta cobrada aos 21 minutos do segundo tempo, Neymar bateu por baixo da barreira, estilo de cobrança que é uma marca registrada de Ronaldinho, ex-jogador do próprio PSG, para anotar o terceiro tento a favor da equipe parisiense. A vitória por 4 a 0 fora de casa serviu para consagrar a ótima fase vivida pelo elenco galáctico, comum trio de ataque formado por Cavani, #Neymar e Mbappé.

Vitória

Logo aos 3 minutos de jogo, a estrela francesa Mbappé abriu o placar para o PSG, sendo seguido pelos gols do uruguaio Cavani (aos 44 da primeira etapa), Neymar (aos 21 do segundo tempo) e do argentino Ángel Di María (aos 43 do segundo tempo). Com o triunfo, o time mantém os 100% de aproveitamento na competição, com três vitórias em três jogos, 12 gols marcados e nenhum sofrido.

No próximo dia 31, já no returno da fase de grupos, as duas equipes voltam a se enfrentar, dessa vez no Parc des Princes, em Paris. O Anderlecht vive um momento oposto. Após três jogos na Liga dos Campeões, o time belga não sabe o que é somar pontos e sua torcida ainda não gritou gol no torneio. Foram três derrotas, dez gols sofridos e nenhum marcado.

Inspiração

Consagrado nos pés de Ronaldinho, o estilo de cobrança por baixo da barreira pegou muitos adversários de surpresa nos anos em que o meia esteve em campo. Um dos casos mais emblemáticos desse tipo de batida feita pelo gaúcho aconteceu justamente contra Neymar.

Pela 12ª rodada do Brasileirão de 2011, quando ainda jogava pelo Flamengo, o "Bruxo", como é conhecido, marcou um gol nesse estilo contra o Santos, na Vila Belmiro. Do outro lado, Neymar tinha apenas 19 anos e já era uma promessa do futebol nacional.

Neste dia, a partida terminou em 5 a 4 a favor dos cariocas, e a pintura de Ronaldinho serviu para empatar o jogo aos 22 minutos do segundo tempo, acirrando a partida. Menos de 15 minutos depois, o craque colocou números finais no jogo ao definir o resultado após um contra-ataque mortal.

A genialidade do atleta contribuiu para uma mudança na formação das barreiras em cobranças de faltas ao redor do mundo, gerando um fenômeno no qual um ou mais defensores se deitavam atrás dos companheiros de equipe para evitar o chute rasteiro.