Já de olho na próxima temporada e não passar o sufoco que tem enfrentado este ano, o São Paulo busca reforços para 2018. O Tricolor, que até o último final de semana, amargurava a zona de rebaixamento no Brasileirão, corre atrás do goleiro Weverton, do Atlético-PR e também tem interesse no volante Fernando Bob, que pertence ao Inter, de Ponto Alegre, e está emprestado para a Ponte Preta.

Fernando Bob foi alvo do São Paulo em maio, onde pagaria cerca de R$ 3 milhões pelo jogador, mas a transferência não vingou por causa do time de Campinas.

Ameaça da Ponte Preta

Na época, a Macaca ameaçou melar a venda de Willian Pottker, caso Bob fosse para o Morumbi.

O Internacional desistiu da venda depois de ser ameaçado.

O time do Morumbi necessita de um volante porque Jucilei voltará ao Shandong Luneng, da China, no final da temporada e Hudson, que está emprestado ao Cruzeiro, deve permanecer na Raposa. O time mineiro quer comprá-lo em definitivo por R$ 5,7 milhões para ficar em Belo Horizonte.

Outro reforço da China que pode desembarcar no Morumbi é meia Oscar, do Shanghai SIPG. Inclusive, a diretoria enviou uma proposta oficial de quase R$ 400 mil reais mensais para tentar convencer o meia a voltar ao Futebol brasileiro.

Oscar é o grande desejo da diretoria do São Paulo Futebol Clube para próxima temporada. O Tricolor quer conseguir o empréstimo do jogador e estaria disposto a envolver Lucas Fernandes na negociação.

O camisa 10 já foi jogador do Tricolor e uma das maiores polêmicas do futebol nacional envolvido em uma novela de quase dois anos e meio e muitos capítulos.

O São Paulo e Internacional travaram uma batalha pelo jogador com meses de negociação, no qual o Colorado pagou R$ 15 milhões ao Tricolor para ficar com o meia.

Na época, Dorival Júnior era o técnico [VIDEO] dos gaúchos e Oscar era umas das principais peças do esquema do técnico. Durante as negociações, a torcida são-paulina colocava o meia como um dos maiores traíras da história do time do Morumbi.

O Caso Oscar

O jogador, aos 18 anos, entrou na Justiça contra o Tricolor em dezembro de 2009 alegando que, quando tinha 16 anos, foi coagido pela diretoria a assinar por cinco anos, o que é proibido pela Fifa (Federação Internacional de Futebol). Já o São Paulo alegou na época que o meia conseguiu emancipação e, por isso, firmou um contrato com período maior.

Oscar venceu e conquistou a liminar tornando-se dono dos seus próprios direitos federativos e menos de uma semana após, o São Paulo cassou a liminar.