Continua complicada a situação na Espanha. A Catalunha pretende se separar da Espanha e isso vai ter reflexos no futebol [VIDEO]e no esporte em geral. Quem está debaixo de fogo por culpa de tudo isso é Gerard Piqué, o zagueiro do Barcelona, que não tem dúvidas e quer mesmo que a Catalunha seja independente.

O problema é que seus ideais parecem entrar em conflito com sua participação na seleção da Espanha, o que já acontece desde seus 15 anos. O treinador não duvida de seu empenhamento durante todos esses anos, mas são muitos os espanhóis que querem ver o craque do Barcelona fora da seleção. Porém, a seleção já tomou sua decisão sobre isso.

Catalunha de Piqué quer independência

A polêmica é muita e é fácil de entender. Milhões de catalães pretendem que sua região autônoma seja independente e que tal como o Mônaco na França, também possam viver independentes de seu país, a Espanha. Essa luta dura há vários anos, mas agora que têm um governo independente, a Catalunha está dando passos importantes nesse sentido.

No domingo (1º), a região que tem Barcelona como capital, saiu às ruas para votar em um referendo. Mais de dois milhões de catalães votaram, incluindo o zagueiro Piqué. No final, 90% das pessoas disseram Sim à independência, mas todo o processo foi muito doloroso. Veja o vídeo abaixo:

A polícia espanhola se mobilizou contra todas essas pessoas e se viram cenas de enorme e inexplicável violência.

A polícia teria ordens para impedir, a todo o custo, esse referendo, que era ilegal, de acordo com a Constituição. E, para isso, eles exageraram da violência, contra pessoas que queriam apenas votar, em um referendo.

No final, foram mais de 900 os feridos, todas pessoas que só queriam votar e que até levantavam seus braços, perante as ações policiais. Se viram flores nas mãos dos eleitores, em demonstração de que estavam em paz, mas o comportamento da polícia está sendo muito criticado por todo o mundo.

Decisão está nas mãos de Piqué

Piqué foi um dos que votou e ele mesmo é um declarado a favor da independência. Porém, os espanhóis não entendem como ele pode continuar jogando na seleção, se ele quer tanto assim a Catalunha livre. "Se eu interferir, eu posso deixar a seleção antes da Copa de 2018", disse o jogador no domingo. O problema maior é que logo no dia seguinte, ele se apresentou na seleção e foi mal recebido por mais de mil torcedores, que o insultaram e vaiaram todo o treino.

O técnico Julen Lopetegui até parou o treino, por não aceitar que os torcedores fizessem isso com Piqué, que ele diz ter um "comprometimento brutal" com a seleção. Sergio Ramos, rival de Piqué no Real Madrid [VIDEO], é capitão da seleção e se colocou contra o colega, dizendo que ele apelando para a independência, é normal que não seja querido pelos espanhóis. Parecia que o clima de tensão estava se instalando, mas agora a seleção se reuniu e dizem que a decisão de abandonar ou ficar na seleção é apenas de Piqué.

Afinal, todos acreditam que o jogador tem sido crucial no sucesso da seleção, que foi duas vezes vencedora da Eurocopa e da Copa do Mundo, contando muito com o desempenho de Piqué no eixo da defesa. A ideia é que o craque continue. Parece que é isso mesmo que ele pretende, uma vez que vem jogando desde os 15 anos com a seleção e se sente "em família" junto com todos os seus colegas.

No entanto, fica a dúvida: se a Catalunha ficar mesmo independente da Espanha, será que Piqué continua na seleção ou vai se enquadrar em uma seleção da Catalunha? Qual é a opinião do leitor nesse tema? Comente!