O Palmeiras [VIDEO] venceu o Botafogo-RJ por 2 a 0 no Allianz Parque e assumiu a vice-liderança do Campeonato Brasileiro. Se conseguir se manter como vice-campeão, o Verdão ganhará mais dinheiro em relação à premiação. É a única coisa que vale na última rodada.

O jogo de ontem marcou a despedida do veterano Zé Roberto. Aos 43 anos, o lateral ficou bastante emocionado com o manifesto da torcida e deu a volta pelo gramado assim que o jogo acabou. Fez questão de saudar todos os setores, viu uma criança invadir o gramado para abraçá-lo e falou com a imprensa.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Zé não tem futuro definido ainda, disse que quer viajar e descansar um pouco. Não sabe o que vai fazer.

O Palmeiras, por sua vez, volta ao mercado para buscar mais um lateral.

Sem Zé Roberto que se aposentou e Egídio que deve ser negociado por deficiência técnica, os diretores confirmaram a chegada de Diogo Barbosa, do Cruzeiro. Mais um lateral está sendo pesquisado pela diretoria, assim como um atacante [VIDEO].

Golpe político em Mustafá Contursi

Ainda quando Paulo Nobre era presidente do Palmeiras, Mustafá Contursi apoiou Leila Pereira, presidente da Crefisa, como conselheira. Preparou toda 'cama política' e assinou documento comprovando que a empresária é sócia desde 1996. O documento ainda gera controvérsias dentro do Palmeiras. Eleita, Leila começou a ser mais seletiva com algumas pessoas que se aproximaram antes das eleições.

Contursi foi envolvido em escândalo de venda de ingressos. E empresária recebia uma carga de setenta ingressos e repassava para o ex-presidente, que então passava para uma terceira pessoa, que revendia.

Quando a cota foi ceifada, a terceira pessoa foi ameaçada por não vender mais os bilhetes e o caso veio à tona.

Em entrevista para o jornal Folha de S.Paulo, Leila disse que está 'muito decepcionada' com Mustafá e que rompeu qualquer tipo de relação. O 'padrinho político' não é mais seu aliado político.

Na entrevista, a empresária também confirma que tem planos para ser presidente do Palmeiras quando o Estatuto permitir. Se for reeleita conselheira, Leila pode ser presidente já em 2020 e dependerá de votação que envolve os sócios do clube.

Quando se candidatou, Leila não queria e não confirmava a vontade de ser presidente do clube. Disse na época que tanto a Crefisa quanto à FAM, suas duas empresas, tomavam muito do seu tempo. Não conseguiria presidir da forma correta.

Maurício Galiotte, atual presidente, tentará a reeleição em 2018 e terá Paulo Nobre como rival político.