Focado na busca por títulos ao longo da temporada de 2018, o técnico Roger Machado foi apresentado oficialmente nesta quarta-feira no Palmeiras, que interromperá o trabalho de Alberto Valentim e cederá o bastão ao ex-comandante do Atlético-MG e do Grêmio para o novo ano.

Em sua primeira entrevista como comandante do Verdão, Roger descartou grandes reformulações no elenco e disse que cerca de 90% do atual grupo segue ao menos para a arrancada de 2018. Por outro lado, ele falou sobre a vinda de novos jogadores e fez elogios ao já contratado lateral-esquerdo Diogo Barbosa, que vem do Cruzeiro, e Lucas Lima [VIDEO], em negociação.

"Sobre o Diogo Barbosa o que posso dizer é que ele vem se estabelecendo como um dos melhores jogadores da sua posição há algumas temporadas no Brasil. Em outras oportunidades eu já tentei trazê-lo para jogar no clube que eu estava. Tem a possibilidade do Lucas, que podemos dizer que é um jogador diferente. Ele é diferente dos demais. Os números mostram isso", elogiou.

Roger [VIDEO], que prometeu um trabalho integrado com as categorias de base, disse que a busca constante do Palmeiras é por títulos e evitou traçar uma competição específica como prioridade - vale lembrar que o time paulista já está garantido na fase de grupos da Libertadores da próxima temporada.

"Sempre o Palmeiras vai brigar por títulos que disputar. Nosso objetivo é levar o clube sempre ao patamar mais alto possível. Começamos cedo o nosso planejamento para 2018, já iniciamos as reuniões para definir jogadores, definir a situação de quem volta de empréstimo, enfim, tudo isso para que já no nosso primeiro jogo a gente possa justificar a vinda desses jogadores e também a minha escolha como técnico do clube", acrescentou.

O técnico chega acompanhado dos auxiliares James Freitas e Roberto Ribas, e disse que gostaria de contar com a permanência de Alberto Valentim na comissão técnica fixa do clube. Valentim ainda não deu uma resposta oficial sobre a possibilidade de seguir no Palmeiras.

Roger Machado chega ao Palmeiras aproximadamente seis meses depois de ter sido demitido do Atlético-MG, onde ganhou o Campeonato Mineiro e teve início instável no Brasileirão, o que praticamente decretou sua saída. Antes, se valorizou muito pelo trabalho realizado no Grêmio, entre 2015 e 2016, com um futebol vistoso e jogo coletivo que até hoje rende elogios à metodologia utilizada no seu trabalho.