O Grêmio que estreia nesta terça-feira na semifinal do Mundial contra o Pachuca tem exemplos em um passado recente para ligar o alerta. Desde que o torneio foi redesenhado pela Fifa, a partir de 2005, duas surpresas bem negativas ocorreram com times brasileiros, que ficaram fora da final.

De 1960 a 2004, o Mundial era representado pela Copa Intercontinental, que era um jogo único entre o representante sul-americano (campeão da Libertadores) e o europeu (campeão da Liga dos Campeões). No ano seguinte, os outros continentes foram inseridos e o torneio ficou formatado. Na edição inaugural, o São Paulo foi campeão ao bater o Liverpool.

O Inter, que também venceu em 2006, foi o primeiro brasileiro [VIDEO] a ficar pelo caminho antes da decisão. Em 2010, sob comando de Celso Roth, o colorado decepcionou e perdeu por 2x0 para o até então desconhecido Mazembe, do Congo.

Três anos depois foi a vez do Atlético-MG sucumbir com muita semelhança aos gaúchos. O time [VIDEO] de Cuca, na oportunidade, acabou sendo batido por 3x1 para o Raja Casablanca, do Marrocos. Fernandinho, atual titular do Grêmio, fazia parte daquele grupo do Galo.

Grêmio e Pachuca se enfrentam a partir das 15h desta terça. A outra semifinal, na quarta, reúne Real Madrid e Al-Jazira. A grande decisão ocorre no sábado.