À rádio Bandeirantes (FM 90,9 São Paulo), o empresário Fernando César confirmou que a transferência de Pablo, por 5 anos, ao Palmeiras [VIDEO] já estava quase certa. A declaração foi dada no domingo (10) e agitou o Mercado da bola em pleno fim de semana.

Mas, do lado das Perdizes, a história não é bem essa. Para os dirigentes alviverdes, as condições impostas pelo jogador e seu empresário são incompatíveis com a realidade que o clube tem a oferecer para a concretização do negócio.

Pertencente ao Bordeaux, da França, o brasileiro poderá, até mesmo, retornar ao Corinthians, clube que defendeu nesta temporada, segundo informações que a ESPN diz ter recebido do estafe do atleta.

O imbróglio envolvendo o zagueiro acontece desde sua conturbada saída do alvinegro paulista e conta, inclusive, com sua não participação na festa do título do Corinthians no Campeonato Brasileiro, na última rodada do nacional, contra o Atlético-MG, na Arena do Timão.

Os clubes rivais tem o mesmo posicionamento com relação ao pagamento de luvas. No Parque São Jorge, a pretensão é a de que sejam pagas em duas vezes. No Parque Antarctica, o que assusta é o valor pedido por elas: R$ 4 milhões.

Além do valor das luvas, comissão de 10% a César, salário de R$ 500 mil e o pagamento de mais 3 milhões de Euros - mais de R$ 11 milhões - ao clube francês, detentor dos direitos econômicos de Pablo, são outros fatores que aumentam o impasse para a transferência do jogador ao Palmeiras.

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Verdão, [VIDEO] pretendia receber o zagueiro nas mesmas condições em que ele foi negociado com o rival, ou seja, por empréstimo e com redução em sua pedida salarial.

O elenco que será comandado pelo técnico Roger Machado não enfrenta grandes dificuldades no setor defensivo, no momento. A chegada de Pablo poderia suprir, na metade do ano, a saída do colombiano Yerry Mina, que, após a Copa do Mundo da Rússia, vestirá a camisa do Barcelona, acerto realizado em setembro, quando Mattos se ausentou da Academia para concretizar a transferência do zagueiro palmeirense ao Futebol espanhol.

Outra questão que pesa e deve enterrar, de vez, as conversas entre Mattos e César é a informação de que haverá uma reunião entre os dirigentes corintianos e Pablo nesta terça-feira (12). Para o diretor palmeirense, a sensação é de que toda a negociação, até aqui, tenha sido usada apenas como forma de pressionar o rival a ceder e confirmar a permanência do zagueiro no elenco de Fábio Carille em 2018.