O ano de 2017 foi especial para o Corinthians. Com um elenco desacreditado, o clube conseguiu dois títulos, Campeão Paulista e brasileiro. Para 2018, a diretoria já se movimenta para reforçar o atual elenco para disputa da Taça Libertadores da América.

O técnico Fábio Carille já disse, em recente entrevista, que não espera grandes reforços para a próxima temporada. A prioridade é não perder os principais jogadores do atual elenco. O clube, por sua vez, está atrás de jogadores pontuais para reforçar a equipe.

Porém, da equipe titular que sagrou-se campeã, já não estarão na próxima temporada o lateral-esquerdo Guilherme Arana, negociado com o Sevilha, da Espanha, e o zagueiro Pablo, que retorna ao Bordeaux, da França.

A negociação de Pablo foi complicada, se estendeu por todo o segundo semestre do ano, mas não houve acerto sobre os valores contratuais e o Corinthians desistiu da contratação [VIDEO].

Alguns jogadores pertencentes ao clube paulista que estavam emprestados poderão retornar na próxima temporada, ou virar moeda de troca. São os casos de Lucca, que estava na Ponte Preta, foi destaque na atual temporada onde fez muito gols; o colombiano Stiven Mendoza, que estava no Bahia, foi peça importante no time, ajudando o clube baiano a fugir do rebaixamento; e o volante Jean, que estava no Vasco da Gama, fez sempre com atuações regulares e foi titular em boa parte do ano.

O clube já tem negociações avançadas com o Renê Júnior, que estava no Bahia, e Júnior Dutra, que jogou o campeonato pelo rebaixado Avaí.

Renê Júnior, de 28 anos, é um jogador que atua na posição de volante, tem um bom passe, chuta bem de fora da área, é versátil e pode atuar em outras funções. Júnior Dutra, de 29 anos, pode atuar aberto pela direita como também de centroavante, tem bom porte físico.

Além destes citados acima, especulam-se nomes como Diego Tardelli e Gustavo Scarpa, mas, pelos altos salários e multas contratuais, ambos dificilmente viriam para a próxima temporada. A diretoria corintiana quer reforçar o elenco com peças pontuais, que viriam para o clube sem que grandes somas de dinheiro fossem desembolsadas. Este modelo de negócio deu certo na atual temporada, com casos de sucesso como Jô, Jadson e Gabriel.

O técnico Carille fala da chegada de até seis reforços, sendo os principais focos na chegada de dois zagueiros, um lateral-direito, um lateral-esquerdo, um atacante para sombra de Jô e um meio-campista.