O Palmeiras está de olho no Mercado da bola. No domingo (3), o clube atua pela última vez em 2017 e pode ratificar a condição de vice-campeão brasileiro. Internamente, parte de diretores e conselheiros considera o ano positivo, ao contrário da torcida, que esperava um pouco mais.

O objetivo da temporada, o título da Copa Libertadores da América, foi para Porto Alegre, mais precisamente na sala de troféus do Grêmio. Eliminado nas oitavas contra o Barcelona do Equador, o Verdão não conseguiu avançar e realizar o sonho de levantar o bicampeonato da América, mesmo com injeção financeira fortíssima.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Nos últimos dois anos, a política de reforços foi diferente: contratações em massa, quantidade e por vezes com pouco critério. Pensando melhor no planejamento, o clube contrata mais de forma cirúrgica.

O zagueiro Emerson Santos, do Botafogo-RJ, chega para ser parceiro de Yerry Mina e Edu Dracena. Juninho e Luan não devem ter grandes chances em 2018, exceto se lesões abrirem vagas no time titular.

Diogo Barbosa, ex-lateral-esquerdo do Cruzeiro, deve chegar e já assumir a titularidade. O atleta deve ocupar vaga de Egídio, que retornou para o time mineiro, e Zé Roberto, que se aposentou e virou assessor técnico.

Bolada alta

O foco agora é resolver a lateral-direita [VIDEO]. Com a confirmação de Lucas Lima, do Santos, o Verdão resolveu o problema do meio campo. Para a lateral, o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, e o executivo de Futebol do clube, Alexandre Mattos, querem Rafinha, do Bayern.

Rafinha terá seu contrato findado em 2018 e deve reforçar o desejo de voltar para o Brasil aos alemães.

Não quer mais ficar no futebol alemão e busca jogar em algum clube brasileiro. No entanto, para fechar negócio, o Palmeiras terá que disputar com Flamengo, São Paulo e Cruzeiro. Por conta da concorrência, o valor aumenta, e o Palmeiras pode ter que oferecer até R$ 20 milhões pelo atleta.

O valor é considerado bem alto quando se fala de um lateral. O atacante Miguel Borja, por exemplo, custou R$ 30 milhões aos cofres da Crefisa, atual patrocinadora alviverde. O clube palestrino está disposto para entrar na briga.

De saída

Herói do último título Brasileiro do Palmeiras, o lateral-direito Fabiano deve deixar o Palmeiras. A diretoria ainda aguarda por propostas e não tem nada definido. O jogador deve ser negociado com algum clube do Brasil e virar moeda de troca dependendo da situação. O problema é que, até agora, nenhuma proposta chegou pelo jogador.