Eleito no final de 2016, ganhando a disputa contra Mário Bittencourt e Celso Barros, Pedro Abad corre o risco de não cumprir os três anos de mandato no Fluminense. Na última sexta, foi lançado, pela Internet, um abaixo-assinado pedindo a saída imediata do presidente do Tricolor e, até o momento, houve mais de 11 mil adesões por parte dos torcedores.

Para os tricolores, Abad não tem o perfil de vencedor, algo considerado essencial para o Fluminense se manter entre os grandes do futebol mundial. Além disso, o presidente, segundo eles, omite-se nos momentos de maior turbulência, faltou com a verdade em várias situações, especialmente durante o último período eleitoral e é cercado de pessoas totalmente incapazes de gerir um clube de tradição, casos, principalmente, do gerente-executivo Marcelo Teixeira e do CEO Marcus Vinícius Freire.

Outro fator que causa revolta aos torcedores é o número de denúncias contra a agremiação carioca. No último sábado, o jornal Extra, em sua versão digital, mostrou uma nota da Procuradoria-Geral na qual o órgão público revelava uma dívida de R$ 12 milhões do clube carioca devido a uma manobra do então presidente Peter Siemsen, antecessor de Pedro Abad, que, na época, era o responsável pelo Conselho Fiscal. Graças a essa pendência, 30% do valor que o Flu [VIDEO] tinha direito a receber da venda de Wendel ao Sporting, de Portugal, cerca de R$ 30 milhões, foram penhorados.

Procurada, a diretoria do Fluminense não quis comentar o assunto. Na quarta passada, após o empate de 0 a 0 com a Portuguesa-RJ, em Édosn Passos, o técnico Abel Braga, ao ser questionado, disse que qualquer manifestação da torcida é soberana.

"O torcedor é soberano. No momento em que a equipe mais precisou ano passado, ele foi lá e nos ajudou muito. Não posso reclamar. Têm impaciência porque não estão vendo a equipe jogar bem", disse o comandante.

Desde que assumiu, Pedro Abad viu, no ano passado, o Fluminense [VIDEO] conquistar a Taça Guanabara, mas, na decisão daquele Campeonato Carioca, perdeu o título para o Flamengo. O arquirrival também foi seu algoz nas quartas-de-final da Copa Sul-Americana. Além disso, o Tricolor foi eliminado precocemente da Copa do Brasil, fracassou na busca pelo segundo título da Copa da Primeira Liga e, no Campeonato Brasileiro, depois um bom começo, acabou caindo de produção e, na reta final, precisou lutar contra a ameaça de mais um rebaixamento.