Quem acreditava que a era Eurico Miranda havia definitivamente acabado no Vasco de Gama, se enganou mais uma vez [VIDEO]. O dirigente renasceu das cinzas, promoveu uma grande manobra e acabou vitorioso na eleição para presidente.

Não, Eurico não continuará na presidência do Vasco, mas o candidato que apoiou, Fernando Campello, da Frente Vasco Livre, foi eleito com 154 votos, contra 88 de Julio Brant, da chapa Sempre Vasco.

Manobra de Eurico

Para entender a manobra, é preciso compreender como funcionam as eleições no Vasco.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Por lá, 300 conselheiros votam para presidente. Desses, 150 são vitalícios e outros 150 são definidos em eleição com sócios. Aí a manobra começa.

Sete dias antes dessa primeira eleição, na chamada Assembleia Geral, Fernando Campello, que aparecia na quarta posição entre quatro candidatos, desistiu da candidatura, se aliou a Brant e tornou-se o primeiro vice-presidente da chapa Sempre Vasco.

A chapa de Julio Brant venceu a primeira etapa das eleições, após toda a confusão envolvendo a urna 7, e garantiu 120 de 150 votos possíveis entre os conselheiros não-vitalícios. Eurico ficou com apenas 30. Esse resultado praticamente dava a vitória a Julio Brant.

Mas nesta sexta-feira (19), dias das eleições, Fernando Campello rompeu com Brant [VIDEO], relançou sua candidatura – com base legal dentro do Estatuto do clube – e levou consigo 60 conselheiros (metade do que eles conseguiram na primeira etapa).

Além de sair com 60 votos, Campello passou a receber um apoio decisivo para a sua vitória: Eurico Miranda. O apoio do homem que manda no Vasco há anos garantiu a vitória.

Histórico

A derrota de Julio Brant começou a ser desenhada na eleição do Conselho Deliberativo. Roberto Monteiro, líder do Identidade Vasco, grupo da base de apoio de Campello, foi eleito com 158 votos, contra 96 de Eduardo Rebuzzi, que era apoiado por Brant.

Em seguida veio a eleição para presidente e o clima de confusão tomava conta da sessão. Houve troca de empurrões e xingamentos entre conselheiros. Teve Eurico tomando o microfone das mãos de Brant e recebendo o troco.

Ao final das eleições, parte gritava o nome de Eurico, outra parte gritava “vergonha”. Tanto Brant quanto Eurico deram entrevistas após as eleições. Enquanto o primeiro foi lúcido, claro, garantiu que não vai acionar a Justiça, o segundo brigou com repórteres, atacou UOL e Globo e não respondeu nada do que foi perguntado.

O Vasco viveu uma noite para se esquecer. Resta saber como serão os próximos três anos do clube que já foi de seus torcedores e hoje tem um dono.