O Brasil é mundialmente conhecido como país do futebol. Muito dessa fama vem dos anos 1980 e 1990 quando a Seleção Brasileira de Futebol encantou o mundo apresentando um jogo diferenciado, com técnica apurada. Além disso, em todo território nacional se pode encontrar milhares de campinhos de futebol onde as crianças crescem praticando o esporte. Por essas e outras questões é que o Brasil ficou conhecido como "pátria de chuteira."

Porém, ainda que muitos dos atletas alcancem fama internacional e vivam maravilhosamente com salários super altos, a realidade para a maioria é bem diferente.

Publicidade
Publicidade

Se para os jogadores profissionais do gênero masculino as dificuldades para chegar ao estrelato já são imensas, para as atletas femininas é um caminho muito mais árduo e doloroso.

O fato é que o futebol feminino no Brasil é inexistente e inexpressivo. Várias tentativas de fortalecimento da modalidade já foram realizadas pelo governo e até mesmo por alguns clubes. Porém, sem o apoio da iniciativa privada e do público em geral, o futebol feminino só é lembrado em época de Olimpíada.

Publicidade

Uma das atletas que sofreu recentemente com esse descaso foi a – agora - ex-jogadora Amandinha. Em 2016, a atleta, jogando pelo Botafogo-PB, foi convocada para defender a Seleção Brasileira no Sul-Americano disputado em Santos, São Paulo. Com a convocação, Amandinha se tornara a primeira Atleta paraibana chamada para a seleção nacional atuando por um time do estado. Todavia, no corte para a lista final, a então lateral-direita não ficou entre as escolhidas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol

Agora, menos de dois anos depois de seu auge na carreira, Amadinha se tornou uma ex-jogadora e trabalha como caixa num shopping de Brasília. A mudança de vida foi abrangente, começando pela saída de João Pessoa para a capital brasileira.

Para essa virada brusca, a ex-atleta não apresenta uma explicação muito clara. "É uma história bem longa, sabe. Sinto saudade demais de jogar e da vida de jogadora.

Mas sei que tudo é no tempo de Deus. Pode ser que eu ainda volte para o esporte e faça o melhor, explicou.

Embora esteja longe dos gramados, a ex-jogadora afirma que continua acompanhando o futebol feminino e torce para que as novas atletas não desistam dos seus sonhos e sigam em frente com suas carreiras. O Botafogo da Paraíba, ex-clube de Amandinha, continua disputando campeonatos femininos e faturando títulos.

Publicidade

Recentemente, o time levantou o troféu de tricampeão paraibano.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo