Os primeiros dias desta nova fase de Gabigol no Santos têm sido muito movimentados. No último sábado (27), ele fez seu primeiro treino com bola no CT Rei Pelé junto com seus novos companheiros, no dia seguinte, esteve no Pacaembu acompanhando o empate em 1 a 1 diante do Ituano, pela quarta rodada do Campeonato Paulista e nesta segunda-feira (29), teve sua apresentação oficial. Animado, o atacante já se colocou à disposição do técnico Jair Ventura [VIDEO] para o clássico diante do Palmeiras, no próximo domingo (4), no Allianz Parque.

Na sexta-feira (26), o jogador já havia feito trabalhos físicos e no sábado, trabalhou no gramado [VIDEO] com bola pela primeira vez desde seu retorno, demostrando que está com o preparo em dia.

No domingo (28), ele foi até o estádio do Pacaembu e esteve no gramado antes da bola rolar, acompanhando a partida das cadeiras azuis.

No início da tarde desta segunda-feira (29), ele foi apresentado de forma oficial. Como não poderia deixar de ser, ele foi questionando a respeito de quando irá reestrear com a camisa do Peixe. Ele se esquivou das perguntas, porém não escondeu a vontade de disputar o clássico. “Falar que estou pronto, é um pouco cedo. Temos uma semana para o jogo, mas se o professor precisar, vou estar à disposição”, declarou. Aliás, não há clássico mais oportuno para ele reestrear do que com o Verdão. Dos 11 gols marcados contra os principais rivais santistas, seis foram contra o adversário do próximo domingo.

Queria voltar

Gabriel também falou sobre as razões que escolheu o Santos, uma vez que havia propostas de outros times do futebol brasileiro.

O novo camisa 10 disse que seu retorno ao clube deve-se pelo fato dele ser muito santista e também que trabalhar com Jair Ventura, com o qual deseja aprender bastante, influenciou em sua decisão de retornar. "Acompanhei o trabalho dele no Botafogo. Falei com ele e com alguns jogadores, que o elogiaram bastante”, afirmou.

O retorno de Gabigol se dá um ano e meio após ele ter deixado clube para jogar na Inter de Milão, que adquiriu seus direitos por 27 milhões de euros, que pela cotação da época chegava a 100 milhões de reais. No time italiano, ele teve poucas oportunidades, se envolveu em algumas polêmicas – como abandonar um jogo ainda em andamento ao ver que não entraria -, e marcou apenas um gol. Emprestado no meio do ano passado ao Benfica, ele também não teve bom desempenho, tendo marcado apenas um gol e sendo dispensado na metade de seu empréstimo.