Um dos maiores ídolos da história do Corinthians [VIDEO], Marcelinho Carioca foi um jogador que teve poucas aparições na Seleção Brasileira. Grande parte do auge de sua carreira ocorreu na mesma época em que seu desafeto Vanderlei Luxemburgo, com o qual se envolveu em polêmicas mesmo depois de ter parado de jogar, comandava o selecionado. No programa Bola da Vez, do canal por assinatura ESPN Brasil, o eterno Pé-de-Anjo disse que foi boicotado pelo treinador.

“Ela falava: ‘Eu não quero você no programa da Hebe de segunda-feira’. Falava na frente de todo mundo. E na outra segunda ele estava. E eu não precisava falar, porque quarta-feira eu fazia gol e domingo eu fazia gol.

Às vezes, quando você quer defender o grupo, quando tem aquela força, aquela autonomia e você sabe que você é bom, as minhas respostas não eram com a boca, eram com os pés.”

Questionado pelo apresentador João Carlos Albuquerque a razão de ser proibido pelo técnico em ir ao programa do SBT, Marcelinho disse que isso era em função do jogador estar “aparecendo demais” e fato incomodava o treinador. “Se você chegasse com um relógio melhor que o dele, era complicado”. Apesar disso, o ex-jogador disse que não tem raiva do treinador.

“Meus melhores momentos foram com ele. Em 91, com o Flamengo, [VIDEO] ele me colocou como titular”, lembrou. “Ele tinha alguns problemas como todo mundo tem. Me prejudicou? Me prejudicou. Me tirou a artilharia do Campeonato Brasileiro de 98, me tirou da Copa América de 99 .

Me tirou da Olímpiada de 2000 e, consequentemente, da Copa do Mundo de 2002.”

Atravessando um grande momento no Corinthians em 1998, ele foi convocado por Luxemburgo para três amistosos da Seleção Brasileira. Porém, na concentração, três jogadores lhe confidenciaram o treinador não queria sua presença no elenco.

“Os três me chamaram e disseram: ‘O Vanderlei chamou a gente e disse que tem que tirar você da Seleção de qualquer maneira’. Como eu vinha arrebentando e fazendo gols, automaticamente ele foi obrigado a me convocar”. Marcelinho preferiu não revelar quem eram os três atletas. Nos três jogos, ele marcou gols e foi substituído no segundo tempo.

A polêmica final da Copa do Brasil, quando o Corinthians perdeu a decisão para o Grêmio, também foi assunto da entrevista. No primeiro jogo, disputado no Estádio Olímpico, o Corinthians chegou a abrir 2 a 0 no placar, mas acabou sofrendo o empate. “Perdemos (o título) porque o Vanderlei quando errava ele não assumia”, disse. “A gente ganhando o jogo de 2 a 0 no Sul, o Muller fazendo o pivô, a base e ele me tira o Muller. Eu falei não tira, não tira ele. Ele tirou o Miller, botou dois abertos e Grêmio veio e massacrou a gente. No intervalo eu ainda falei pra ele e teve a discussão e a briga. Você tá errado, você não assume”, relembrou.