Nenhum dos artilheiros do Paulistão dos últimos cinco anos está jogando o Campeonato Paulista da Série A1. Com a carência de centroavantes que se vê nos gramados de São Paulo era de se esperar que aqueles que já demonstraram intimidade com o gol estivessem reforçando [VIDEO] as equipes que almejam o título, mas o único desses atacantes que já alcançou a artilharia e ainda está em São Paulo disputa a Série A-2.

É o centroavante William Batoré, que defende a Portuguesa. Batoré foi artilheiro do Paulistão de 2013, defendendo a Ponte Preta. Naquela temporada marcou 13 gols. Depois perambulou por vários clubes sem o mesmo sucesso: Al-Khor (do Catar), Ceará, Avaí, Água Santa e Náutico.

2014

Em 2014 a artilharia do Paulistão foi dividida entre quatro jogadores, sendo que dois deles estão atualmente fora do futebol brasileiro. Com nove gols, ficaram na ponta da tabela de goleadores os centroavantes Alan Kardec (na época defendendo o Palmeiras) e Luís Fabiano (São Paulo) e os meias Léo Costa (Rio Claro) e Cícero (Santos).

Desses, Alan Kardec e Léo Costa defendem clubes de outros países - o ex-palmeirense está no Chongging Lifan, da China, e o ex-jogador do Rio Claro no Mumbai City, da Índia. Luís Fabiano tem vínculo com o Vasco, mas se recupera de uma lesão no joelho direito e está sem jogar. Cícero está no Grêmio depois de uma passagem apagada no São Paulo em 2017.

2015

O ano de 2015 marcou o ressurgimento para o futebol paulista do centroavante Ricardo Oliveira. Depois de quatro temporadas no Emirados Árabes e aos 35 anos, o centroavante voltava ao Brasil, no Santos.

Conquistou a artilharia da competição com 11 gols. Naquele ano também foi artilheiro do Brasileirão com 20 gols, seis a mais que o vice-goleador da competição, o centroavante Vagner Love, então no Corinthians.

As boas atuações o levaram de volta à Seleção Brasileira. Nos anos seguintes, Ricardo Oliveira voltou a ser o artilheiro do Peixe, mas não alcançou a ponta da tabela de goleadores das competições em que participou. No fim do ano passado se transferiu para o Atlético Mineiro.

2016

Em 2016 o artilheiro do Paulistão veio do interior: Roger, do Red Bull Brasil. Com 11 gols na competição, balançou as redes dos adversários três vezes a mais que os vice-artilheiros, Rodrigo Andrade (Osasco Audax) e Alecsandro (Palmeiras). Roger permaneceu no futebol paulista até o fim de 2016, quando defendeu a Ponte Preta no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil.

No ano passado se transferiu para o Botafogo do Rio de Janeiro. Foi o artilheiro da equipe no Brasileirão com 10 gols, oito a menos que os goleadores da competição, Jô (Corinthians) e Henrique Dourado (Fluminense).

Este ano se transferiu para o Internacional de Porto Alegre.

2017

No ano passado, a exemplo do ocorrido em 2014, a artilharia do Paulistão foi dividida. Desta vez entre apenas dois jogadores. Os centroavantes Gilberto (São Paulo) e William Pottker (Ponte Preta) foram os goleadores máximos da competição com nove gols. Gilberto permaneceu no São Paulo para a disputa do Brasileirão 2017, mas esquentou o banco na maioria dos jogos enquanto o titular era o argentino Lucas Pratto. Ainda assim, Gilberto foi o vice-artilheiro da equipe na temporada com 13 gols, um a menos que Pratto.

Para 2018, o São Paulo perdeu os dois. Pratto foi para o River Plate e Gilberto está sem clube, apesar de já ter sido sondado por Santos e Corinthians no início da temporada. O sucesso de Pottker no Paulistão do ano passado nada mais foi do que a continuidade da boa fase que viveu em 2016, quando foi o goleador do Brasileirão com 14 gols ao lado de Diego Souza [VIDEO] (Sport) e Fred (Atlético Mineiro) com 14 gols.

Logo depois do Paulistão, o atacante se transferiu para o Internacional, onde conquistou o acesso para a Série A e foi o artilheiro da equipe na Série B, com 10 gols, bem atrás dos goleadores da competição, Mazinho (Oeste) e Bergson (Paysandu), ambos com 16 gols.