O Palmeiras empatou com a Ponte Preta em Campinas em 0 a 0 no último domingo. O jogo, válido pelo Campeonato Paulista, foi bastante movimentado. Apesar do empenho de ambas as equipes, o gramado encharcado prejudicou bastante e impediu a prática de bom Futebol. O problema maior foi pelo lado direito do campo. As chuvas no interior de São Paulo foram intensas durante o final de semana.

Após o apito final, Roger Machado, técnico do Verdão, destacou o empenho do elenco e garantiu que ainda há muito o que melhorar. O Palmeiras perdeu os 100% de aproveitamento, mas ainda está invicto na temporada e consequentemente no Paulistão.

No próximo sábado, Corinthians e Palmeiras se enfrentam na Arena Corinthians, Zona Leste de São Paulo. Algumas mudanças podem acontecer no time que arrancou um ponto da Ponte. O atacante colombiano Miguel Borja, poupado por causa de dores no joelho, deve ser presença certa no Derby. Outra mudança que está praticamente confirmada é a volta de Victor Luiz para a lateral-esquerda. O jogador tem ficado no banco de reservas e Michel Bastos atuado como titular na posição.

Outras novidades podem pintar. O meia Moisés, que está finalizando a pré-temporada, pode ser relacionado e participar do jogo entre os reservas. O zagueiro Edu Dracena, titular em 2017 com Cuca e Alberto Valentim, também está muito próximo de virar opção. Dracena, aliás, terá que brigar pela posição com Antônio Carlos ou Thiago Martins.

Além dos três defensores, Emerson Santos, ex-Botafogo-RJ, corre por fora.

Fornecedora avisou filial brasileira

Uma polêmica tem cercado a semana palmeirense. A Adidas, atual fornecedora [VIDEO] de material esportivo, confirmou a venda de uma linha de produtos do Palmeiras [VIDEO] que não tem o símbolo do clube, e sim um porco, mascote oficializado recentemente pelo Alviverde como plano de marketing.

O material desagradou boa parte dos torcedores nas redes sociais. Existe até uma campanha para não comprar nada da linha apresentada pela fornecedora. A situação ficou feia internamente.

Dirigentes da Adidas da Alemanha mandaram recado para a filial brasileira: não competir com nenhuma empresa e encerrar as conversas pela renovação com o Palmeiras. Por conta da crise financeira que a empresa atravessa, não haverá mais conversas para renovar. Se o Palmeiras quiser, tem de aceitar a proposta que está na mesa.

O problema é que Maurício Galiotte, atual presidente, quer maximizar os valores pagos pela empresa. Outras duas fornecedoras estão na fila para negociar: Topper e Puma.

Quem vai ganhar a concorrência?