As queixas do agora ex-diretor executivo de futebol do Santos [VIDEO], Gustavo Vieira, contra o presidente do Santos José Carlos Peres motivaram seu desligamento do clube na noite desta terça-feira (20). A cúpula santista não gostou nada das declarações dadas por seu então funcionário ao portal Globo Esporte e justificou como sendo por “incompatibilidades de gestão” anunciou sua saída por meio do site oficial.

Dentre vários problemas citados por Vieira em sua curta passagem pela Vila Belmiro, estava um problema envolvendo a renovação de contato do lateral-direito Victor Ferraz. Segundo ele, já estava tudo acertado entre todas as partes, porém o mandatário santista não levou adiante as conversas, fato que lhe deixou com a imagem arranhada perante aos demais atletas do elenco.

No entanto, após a saída de Vieira, as conversas para a renovação do vínculo do jogador devem ser retomadas. A renovação já estava até apalavrada pelo ex-presidente Modesto Roma Júnior. De acordo com matéria publicada pelo portal UOL Esportes, os valores pedidos pelo jogador agradam ao presidente, mas devem sofrer ajustes. Por conta disso, o estafe do lateral já discute alguns “gatilhos” para esse acordo.

A reportagem lembra ainda que a renovação não é garantir que Victor permanecerá na Vila Belmiro. A intenção da diretoria é lucrar com uma possível negociação. Não faz muito tempo que chegou a circularem fortes rumores de que ele poderia se transferir para o São Paulo [VIDEO]. Posteriormente, Hudson foi cogitado para ser usado como moeda de troca, porém o assunto esfriou a partir do momento que o técnico são-paulino Dorival Júnior disse que contaria com seu volante para o Campeonato Paulista.

Se for mesmo para o Tricolor, o jogador principio só poderá defender o time na Copa do Brasil e posteriormente no Campeonato Brasileiro, uma vez que ele já jogou pelo Santos neste Campeonato Paulista. No Morumbi ele voltaria a trabalhar com Dorival Júnior, técnico com o qual viveu o melhor momento da carreira.

Deu sua versão

Gustavo Vieira concedeu entrevista nesta quarta-feira (21), aos canais ESPN, onde deu sua versão sobre sua conturbada passagem pelo clube. Ele revelou que nos 45 dias que esteve no clube não tomou conhecimento dos valores previstos no orçamento que eram destinados à contratação de reforços e também citou que havia uma disputa de poder na administração de José Carlos Peres. Ele também reclamou de acordos já firmados que acabaram travados pelo mandatário santista.