Atualmente defensor do Sport Clube Mirandela, de Portugal, o jovem Rafael Aflalo, de 21 anos, que atuou pelo Corinthians [VIDEO], está sendo indiciado por homicídio doloso, quando há a intenção de matar. O goleiro é acusado de ter atropelado e matado o ambulante Matheus da Silva Nascimento, de 17 anos, no litoral paulista, em Santos.

O crime aconteceu em abril de 2017, e câmeras de segurança da Avenida Epitácio Pessoa flagraram o momento do atropelamento. No momento do ocorrido, o jovem Matheus é atingido pelo carro em alta velocidade e arremessado por cerca de 20 metros. No momento da tragédia, Matheus estava acompanhado do pai, que também foi atropelado, mas conseguiu sobreviver.

A equipe de resgate do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) conseguiu reanimá-lo. O garoto foi levado às pressas para a Santa Casa, mas acabou sofrendo uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

Através de outro ângulo, é possível ver o carro subindo em algumas calçadas, onde, por pouco, não atingiu outros veículos que estavam no local. Após o ocorrido, antes da chegada da polícia ao local do acidente, o condutor chegou a receber ameaças de moradores e pessoas que estavam no local. O goleiro foi levado para a delegacia para prestar depoimento.

Através dos vídeos capturados pelas câmeras de segurança, os peritos apuraram que Rafael dirigia a uma velocidade de 102 Km/h, o dobro da velocidade permitida, já que o limite da via era de 50 km/h.

O goleiro será indiciado por crime doloso, quando há a intenção de matar

A combinação de irregularidades [VIDEO] do goleiro no momento do acidente fez com que a Justiça indiciasse Rafael por homicídio doloso, quando há a intenção de matar.

No momento do acidente, o goleiro estava com a sua CNH (Carteira Nacional de Habilitação) provisória suspensa, além de possuir mais de 100 pontos acumulados só no último mês. O homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, até chegou ser apresentado no início das investigações, mas as acusações derrubaram a tese.

O crime aconteceu em abril de 2017, mas somente nessa terça-feira (06), os familiares do jovem participaram de uma audiência. A demora é decorrente do acordo feito entre o advogado do réu e os familiares, que aceitaram a proposta de adiar a audiência.

A ação cível aplicada pede, pelo menos, 800 salários mínimos de indenização pela morte do garoto. Além da ação cível, o inquérito já foi concluído pelo advogado responsável pela investigação, onde o réu Rafael Aflalo é indiciado pelo crime de homicídio doloso.