Um dos grandes clássicos do futebol carioca foi realizado a mais de 1.900 quilômetros do Rio de Janeiro. Cidadãos mato-grossenses, optando por um evento esportivo inédito em sua terra, provavelmente devem ter sido a maioria na Arena Pantanal. Os torcedores da Ilha do Governador à Barra da Tijuca, de Niterói à Campo Grande, em sua maioria devem ter optado por assistir pela televisão um dos mais tradicionais clássicos cariocas do futebol.

Provavelmente, foi o Fla-Flu mais atípico de todos os tempos. Para quem se acostumou com os duelos de outrora de Zico x Rivellino ou Renato Gaúcho x Romário - todos eles disputados no Maracanã - pode ter achado no mínimo estranho um clássico carioca em Mato Grosso.

De qualquer forma, com o Rubro-Negro classificado para a final do Campeonato Carioca, o técnico Paulo César Carpegiani optou por uma escalação em sua maioria de jogadores reservas, mantendo o foco na Taça Libertadores da América, cuja estreia será contra o River Plate, da Argentina, na próxima quarta-feira, às 21h45, com mando de campo flamenguista.

Com o elenco da década de 1980, em sua primeira empreitada como técnico no mesmo Flamengo, Carpegiani escalava sempre o que havia de melhor na equipe, independente se disputasse paralelamente torneios como o Brasileirão, a Libertadores ou o próprio Carioca. Dessa vez, tendo a tranquilidade da vaga assegurada na final do Campeonato Carioca deste ano, no seu retorno ao clube, o técnico decidiu mandar a campo vários reservas, formando uma equipe desentrosada.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Flamengo Fluminense

Segundo a opinião dos torcedores flamenguistas nas redes sociais, Carpegiani deveria ter escalado os considerados titulares. Com essa estratégia, no ano de 1981, o Flamengo só não ergueu a taça do Campeonato Brasileiro, apesar de ter chegado às quartas de final, quando foi eliminado pela ótima equipe do Botafogo, num gol antológico do meia-armador Mendonça. O título brasileiro daquele ano ficou com o Grêmio porto-alegrense.

O Flamengo dos tempos de Zico, Júnior, Adílio e Leandro adotara o sistema "pijama training", que priorizava a alimentação adequada e o descanso, sem os desgastantes treinamentos e com a concentração amenizada. Os resultados foram as conquistas do Campeonato Carioca, a Taça Libertadores da América e o cobiçado Mundial Interclubes no ano de 1981.

Pijama training é cogitado

Aproveitando-se disso, mesmo desacreditado e perdendo elementos-chave de sua equipe, o Tricolor goleou o Rubro-Negro por 4 a 0, dando uma amostra de volta por cima após o fracasso na Taça Guanabara - correspondente ao primeiro turno do Cariocão -, fazendo com que o Flamengo sofresse sua primeira derrota no ano.

Segundo o técnico Carpegiani, o gol que inaugurou o placar com apenas ‘ minuto de jogo desestabilizou a equipe, que ficou sem poder de reação. Sem grandes estrelas, mas com um técnico competente que mudou a cara da equipe em todos os setores, o Fluminense, já no primeiro tempo, definiu a partida fazendo três gols.

O atacante Marcos Júnior sacramentou a vitória, marcando seu segundo gol no clássico aos 10 minutos do segundo tempo.

O público de pouco mais de 15 mil pagantes assistiu o domínio e ascensão Tricolor sobre seu arquirrival, em um Fla x Flu cuja derrota por goleada pode ter servido como lição e refresco de memória para o técnico Paulo César Carpegiani, de não menosprezar um adversário tradicional que, apesar do elenco desmembrado, busca com determinação seu lugar entre os melhores.

Ficha do jogo

Local: Arena Pantanal, Cuiabá (Mato Grosso).

Fluminense - Júlio César; Renato Chaves, Gum e Ibãnez; Gilberto, Richard (Matheus Norton), Jadson, Sornoza e Marlon; Marcos Júnior (Robinho) e Pedro (Pablo Dyego).

Técnico: Abel Braga.

Flamengo - Diego Alves; Kleber, Léo Duarte, Thuller e Trauco (Patrick); Cuéllar, Ronaldo e Rômulo (Jean Lucas); Marlos (Geuvânio), Felipe Vizeu e Vinícius Junior.

Técnico: Paulo César Carpegiani.

Gols - 1º tempo: Marcos Júnior (1 minuto), Pedro (17 minutos), e Gilberto (42 minutos); 2º tempo: Marcos Júnior (10 minutos).

Cartões amarelos - Fluminense: Marcos Júnior, Ibãnez e Richard (Fluminense); Flamengo: Léo Duarte e Rômulo.

Cartão vermelho - Gustavo Cuéllar (Flamengo).

Juiz - Maurício Machado Coelho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo