A Copa do Brasil [VIDEO] mal começou e já há o tropeço de time grande. A primeira vítima foi o Botafogo, que na noite dessa terça-feira, dia 06 de fevereiro, disse adeus à competição.

Em uma noite que tinha tudo para deixar os jogadores e torcida do Fogão sorrindo de orelha a orelha, acabou sendo de grande frustração. O adversário seria um time considerado jovem dentro do Futebol nacional. Nascido em 1985 e chegando ao profissional apenas em 1992, a Associação Atlética Aparecidense, da cidade de Aparecida de Goiânia (GO), conseguiu superar o favorito Botafogo por 2 a 1, sendo o seu maior feito em competições de nível nacional.

Esse triunfo do time goiano foi inesperado devido a três fatores.

O primeiro, o adversário é um dos quatro grandes cariocas, que alcançou as semifinais da Taça Guanabara. O segundo fato é o regulamento do campeonato, que, de certa forma, dá vantagem ao time grande. Afinal, o duelo sempre é na casa do time considerado menor, no qual o empate faz o visitante avançar.

O terceiro fator já é referente ao que o jogo apresentou, pois logo aos 6 minutos do primeiro tempo, Rodrigo Pimpão abriu o placar para o Botafogo. O time carioca estava jogando bem, mas uma certa ousadia do Aparecidense mostrava que o time não largaria o osso tão facilmente.

Chutes a longa distância e algumas jogadas individuais de efeito mostraram que o time goiano não havia desistido mesmo estando em desvantagem no placar. Exemplo de jogada ousada foi o lindo chapéu que o Hélder Santos deu em João Paulo de forma perfeita, que fez a torcida acender.

O primeiro tempo acabou com o Botafogo a frente, mas logo no início da segunda etapa o Aparecidense foi recompensado pelo seu esforço. Logo no segundo minuto, o atacante Nonato fez o gol do time da casa. O time que vinha usando sua principal arma, a bola parada, sempre muito bem no primeiro tempo, acabou conseguindo na segunda metade do jogo fazer seu gol.

Apesar do gol, o Botafogo ainda tinha a classificação em mãos, bastava jogar com o regulamento debaixo dos braços. Mas aos poucos o nervosismo do time carioca foi ficando maior. Era nítido o nervosismo.

Aos 37 do segundo tempo, o responsável pelo gol do Fogão reclamou com o juiz e foi expulso. Nervoso e com um a menos em campo, o Botafogo não conseguiu segurar o esperançoso Aparecidense, que chegou ao segundo gol aos 39 minutos com Gustavo Ramos. Depois de muitos cruzamentos durante o jogo, dessa vez funcionou e o Camaleão ficou na frente no placar.

Após o segundo gol o time sofreu certa pressão do Botafogo [VIDEO], mas o goleiro Bussato conseguiu segurar os ataques dos cariocas.

No finalzinho ainda teve o terceiro gol do time da casa, mas esse foi anulado devido a impedimento. Com isso, veio o fim da partida. Zebra na Copa do Brasil e mais uma vez o protagonista foi o Botafogo.

Colecionador de zebras na Copa do Brasil

Com a derrota para o Aparecidense, o Botafogo chega à marca negativa de 11 zebras na competição. Confira abaixo as eliminações inesperadas do Botafogo:

1997: O Botafogo recebeu o Vitória e era o favorito para a partida. Só não esperava ser surpreendido por 3 a 0 diante os baianos, que despachou o Fogão da competição sem nem dar a chance do jogo de volta.

1999: Talvez a zebra mais dolorida para o torcedor do Botafogo. O time conseguiu chegar à final, com chance de conseguir o primeiro título da Copa. O adversário, porém, não deixou esse sonho se realizar.

O Juventude venceu em casa por 2 a 1, e na volta, no Rio de Janeiro, diante 100 mil pessoas que assistiam à partida no Maracanã, conseguiu manter o placar em 0 a 0 e foi campeão em cima dos cariocas.

2001: Dessa vez, o algoz do Botafogo foi o Remo. Foi derrotado nas duas partidas da segunda fase, ambas por 2 a 1.

2004: Mais uma eliminação em pleno Maracanã. Dessa vez pelas mãos do Gama, que triunfou por 3 a 2, levando a classificação do Fogão embora.

2005: Após a falha diante o Gama, o Botafogo foi eliminado pelo Paulista, de Jundiaí (SP), e mais uma vez o regulamento atrapalhou o sonho de título do time carioca. Dois empates, sendo 1 a 1 fora e 2 a 2 em casa, deram a classificação ao time do interior paulista.

2006: Terceira zebra seguida na história do Botafogo na Copa do Brasil. O Ipatinga foi o carrasco da vez. Tomando seis gols na soma dos placares de ida e volta, o time deu adeus à competição.

2007: A eliminação mais amarga de todas. Mais uma vez a eliminação foi no Maracanã, mas, dessa vez, quem protagonizou foi a assistente Ana Paula de Oliveira, que anulou dois gols dos cariocas de forma incorreta. O Figueirense, que não tinha nada a ver com isso, venceu em casa por 2 a 1, e mesmo perdendo por 3 a 1 no jogo de volta, o regulamento fez o time de Santa Catarina avançar devido ao peso do gol fora de casa.

2009: Com uma vitória por 2 a 1 para cada lado, Americano e Botafogo decidiram nos pênaltis quem seguiria na competição. Por 5 a 4, o Botafogo foi superado, mais uma vez.

2010: Uma desclassificação frustrante para o Botafogo, que estava conseguindo a classificação até os minutos finais da partida com um empate em 2 a 2 contra o Santa Cruz, mas o time adversário chegou ao terceiro gol aos 45 minutos, eliminando o Fogão.

2015: Oito anos depois, o Figueirense volta a ser o carrasco do Botafogo. Com direito a gol de letra nos acréscimos do segundo tempo, o time catarinense eliminou o time carioca pela segunda vez.

2018: O jogo da noite passada, o Aparecidense, que de virada, eliminou o time do Rio de Janeiro por 2 a 1.