Depois da disputa pelo título, a briga pela artilharia é a que mais chama a atenção da mídia e torcida. E na reta final do Paulistão 2018 é possível distinguir claramente os dois jogadores que vão disputar a condição de maior goleador da competição: Borja, do Palmeiras [VIDEO], e Gabriel, do Santos [VIDEO]. Por defender um clube pequeno, Bruno Moraes, do Botafogo, corre por fora, apesar de entrar na fase decisiva da competição com um gol a mais que Gabigol. Inclusive esses dois concorrentes estarão frente a frente em um dos confrontos das quartas-de-final do torneio.

A conquista da artilharia representaria para Palmeiras e Santos a volta de um dos dois clubes (ou até mesmo de ambos) ao topo da tabela de goleadores depois de alguns anos de ausência.

O time do Parque Antártica não faz o artilheiro do Paulistão desde 2014, quando Alan Kardec foi o jogador que mais balançou as redes dos adversários na competição, mas dividiu o posto com Luís Fabiano (São Paulo), Léo Costa (Rio Claro) e Cícero (Santos), todos com nove gols. Já o Santos conquistou a artilharia da competição pela última vez em 2015, com Ricardo Oliveira, que terminou a competição com 11 gols, à frente de todos os outros concorrentes.

Borja

Borja entra na fase decisiva na ponta da tabela de artilheiros com seis gols. O atacante jogou nove das 12 partidas da primeira fase do Campeonato Paulista, e tem média de 0,75 gol por jogo, ou três gols a cada quatro jogos. Além da boa média de gols, Borja tem como arma a eficiência em jogos importantes. Dos três clássicos da primeira fase, marcou gols em dois: nas vitórias de 2 a 1 sobre o Santos e de 2 a 0 sobre o São Paulo.

No único clássico que Borja passou em branco, o Palmeiras perdeu: derrota para o Corinthians por 2 a 0.

O palmeirense, sempre muito criticado pela torcida, tem toda a confiança do técnico Roger Machado. Mas o treinador já se prepara para ter uma dor de cabeça, não contar com o seu artilheiro em todos os jogos da fase decisiva. Borja deve ser convocado para a Seleção Colombiana para amistosos nos dias 23 (França) e 27 (Austrália), como parte da preparação da equipe para a Copa do Mundo, e deve fica fora do segundo jogo das quartas-de-final, contra o Novorizontino, e do primeiro jogo da semifinal, caso o Palmeiras confirme seu favoritismo frente à equipe do Interior.

Gabigol

Com dois gols a menos que Borja na tabela de artilheiros, e um a menos que Bruno Moraes, Gabigol divide o terceiro posto de goleador da competição com outros quatro jogadores, todos de times do interior. Desses, três estão na fase decisiva do campeonato: Alisson Safra e Juninho, do Novorizontino; e Matheus Peixoto, do Bragantino (adversário do Corinthians nas quartas-de-final).

O que credencia Gabigol a ser considerado favorito à artilharia frente aos atacantes desses times do interior, além do fato de defender o Santos, é o seu retrospecto, muito mais positivo que o dos concorrentes.

Grande contratação do Santos para a temporada, Gabigol transformou o seu faro de gol nesse início de temporada em sua principal arma. O atacante fez gol em todos os jogos que disputou pelo Peixe no Campeonato Paulista. Foram quatro jogos e quatro gols. Um deles foi no único clássico que disputou, a vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo. Dos concorrentes, sem considerar o palmeirense Borja, a melhor média é do botafoguense Bruno Moraes, que fez cinco gols em nove jogos (média de 0,55 por jogo). Alex Safra, Juninho e Matheus Peixoto fizeram seus quatro gols em dez jogos (média de 0,4 por jogo). E sobre Borja, além do melhor desempenho, o santista também tem a vantagem de não ficar fora da fase decisiva do Paulistão para defender a seleção de seu País.