Além de se tratar de um técnico promissor e com ótimos serviços prestados quando esteve à frente do Botafogo, o fato de gostar de trabalhar com jogadores vindos das categorias de base foi uma razão determinante para que o Santos contatasse Jair Ventura para esta temporada, [VIDEO]onde os recursos financeiros escassos impediam contratações de impacto.

A prova de que realmente o filho do Furacão da Copa de 1970 aproveita muito bem a molecada será visto neste sábado (24), pela primeira semifinal do Campeonato Paulista, no Estádio do Pacaembu, quando o Peixe entrará em campo para desafiar o Palmeiras com sete jogadores formados no clube.

Metade da base é formada na Vila Belmiro, com Daniel Guedes fazendo a lateral direita e Lucas Veríssimo sendo um dos zagueiros. O meio de campo será todo formado por Meninos da Vila, com Alison, Diogo Vitor e Léo Citadini. Na frente, Rodrygo e Gabigol completam o time de jogadores formados na base.

O último a ganhar vaga no time titular foi Diogo Vitor, que entrará no meio em substituição a Jean Mota, que contra o Botafogo, de Ribeirão Preto, não teve boa atuação e acabou perdendo o lugar na equipe.

Não é por acaso que todos eles hoje serão titulares. Durante a primeira fase, o técnico Jair Ventura disse que iria utilizar as 12 partidas para conhecer o elenco e ver com quem poderia contar. De fato as observações foram válidas, com ele corrigindo problemas na lateral esquerda e também no ataque.

O experiente Renato perdeu a condição de titular para Léo Citadini, outro jogador da base, enquanto que Copete, de titular absoluto nas partidas iniciais, nem mais aparece na lista de relacionados.

Mata-mata é com o Peixe

Santos e Palmeiras já duelaram em 12 mata-matas de competições oficiais. O Peixe levou a melhor em dois terços dela, tendo eliminado – ou se sagrado campeão – em oito desses encontros.

A última vez que se encontraram em uma fase eliminatória foi em 2016, quando o Peixe eliminou o time verde na Vila Belmiro, também pelas semifinais do Paulistão, e abriu caminho para a conquista de mais um título, ao derrotar na decisão o surpreendente Audax.

No ao anterior, os dois times também fizeram outras duas decisões nas penalidades, mas valendo título. Em mais uma decisão de Paulista, o Santos derrotou o Palmeiras na Vila Belmiro.

O troco do Verdão veio meses depois, na final da Copa do Brasil, no Allianz Parque. De 2000 para cá, o Peixe eliminou o Palmeiras outras três vezes em mata-mata de Paulista, sendo uma vez pelas quartas de final e duas pela semifinal.