Os esportes adaptados são aqueles voltados às pessoas com necessidades especiais. No Brasil, o órgão responsável em administrar e desenvolver o esporte adaptado de alto rendimento é o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Hoje temos competições de grande porte, como os Jogos Paralímpicos, que assim como os Jogos Olímpicos, são divididos nos de Verão e nos de Inverno.

Os chamados de Verão acabam sendo mais conhecidos, por apresentarem mais modalidades e também por sua prática ser mais acessível, além de envolver questões culturais.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Por exemplo, o Brasil é conhecido por seu futebol, então encontramos a prática com maior facilidade, seja nas ruas, no número de quadras e campos e até campeonatos transmitidos pela televisão.

Bem diferente de esportes como hipismo, patinação ou esgrima. Assim, mesmo com algumas diferenças, tanto os esportes adaptados, como os não adaptados, os de Verão são maioria.

Desta forma, temos 22 modalidades que o Comitê Paralímpico Brasileiro nos apresenta atualmente: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, canoagem, ciclismo, esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, hipismo, judô, natação, remo, rugby em cadeira de rodas, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, tiro com arco, tiro esportivo, triatlo, vela e voleibol sentado. Para os jogos no Japão, em 2020, teremos estreia do taekwondo e parabadminton.

Conquistas em números

São 302 Medalhas até hoje, conquistadas por nossos paratletas em 12 participações nos Jogos Paralímpicos de Verão.

No Rio de Janeiro, cidade sede em 2016, foram 72 medalhas dando o 8º lugar no quadro geral. Os Olímpicos trouxeram 19 medalhas no total.

O destaque fica para nosso maior medalhista, o nadador Daniel Dias, que também é o maior nadador paralímpico do mundo atualmente! Ele coleciona 24 medalhas, sendo 14 de ouro. Lembrando que Michael Phelps, encerrou a carreira com 28 no total com 23 medalhas de ouro.

Você quer brincar na neve?

Ao contrário das personagens de “Frozen”, os atletas brasileiros não estão de brincadeira. A estreia do Brasil nos Jogos Paralímpicos de Inverno foi em 2014, na Rússia, com André Cintra no snowboard e Fernando Aranha no esqui cross country.

Já este ano levamos um trio de atletas para a Coreia do Sul. Tivemos a primeira brasileira na disputa, a paranaense Aline Rocha. Ao lado dela, no esqui cross country, outro jovem estreante, Cristian Ribera de apenas 15 anos, além do agora veterano Cintra, firme no snowboard. É o Brasil começando também em pistas congelantes!

Lembrando que esses jogos contam com 5 modalidades, de acordo com o site do CPB sendo, esqui alpino (que engloba o snowboard), esqui cross country, biathlon, hóquei e culring em cadeira de rodas.

Entrevistas

Entrevistamos Marcelo dos Santos (45) e Richardson Rocha (39), atletas profissionais da Bocha Adaptada, que treinam em Curitiba [VIDEO]. Ambos começaram a treinar em 2008 e destacam a importância do esporte em suas vidas. Para Santos o esporte não dá apenas a capacidade de se formar um atleta, mas sim a capacidade de formar um cidadão. Ele também fala que percebeu a importância do apoio que as pessoas precisam dar umas às outras, independentemente de suas profissões. E Rocha dá o seguinte recado para quem pretende se profissionalizar: “Siga com amor e dedicação, que pode mudar sua vida.”

Quando questionados sobre como se sentem em relação à serem exemplos de força e superação, Rocha se diz muito feliz, pois, além de fazer o que ama, serve de inspiração para várias pessoas. E Santos acredita que como as pessoas com deficiência precisam superar obstáculos todos os dias, talvez seja mais fácil ver portanto de forma concreta essa superação. Ele completa dizendo que todos podem fazer tudo, mesmo com certa dificuldade, quando se está assegurado o direito de ir e vir que todos nós temos.

Ambos carregam, além da superação, muitas medalhas! Em 2015 Rocha foi ouro no Parapan, em Toronto (Canadá) e Santos realizou um sonho e foi prata nas Paralimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016.

Parceria

Esta matéria faz parte da parceria Uninter e Blasting News Brasil. [VIDEO]