O público foi condinzente ao espetáculo. Diante de apenas 3.849 presentes ao Maracanã, onde não atuava há quase dois meses, o Fluminense fez uma partida bem fraca, mas conseguiu assegurar a presença nas semifinais da Taça Rio e do próprio Campeonato Carioca com uma vitória de 2 a 1 sobre o Nova Iguaçu na noite deste domingo.

Com o resultado, o Tricolor atingiu os 13 pontos, confirmando a liderança do Grupo C.

Publicidade
Publicidade

Enquanto isso, o Laranjinha da Baixada, somando um ponto, permanece na lanterna do Grupo B e ainda corre o risco de, em 2019, ser obrigado a disputar a Seletiva do próximo Estadual.

Ambos voltam a atuar pelo Carioca no próximo domingo, às 16h (de Brasília). Pela última rodada da fase de classificação da Taça Rio, no Moacyrzão, em Macaé, o Flu encara a Cabofriense. Já o Nova Iguaçu, em casa, recebe o Macaé.

Publicidade

Na quinta, porém, o Fluminense tem uma perfeita decisão no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Como foi derrotada de 2 a 1 no Rio, a agremiação das Laranjeiras, a partir das 21h45 (de Brasília), necessita vencer o Avaí por dois ou mais gols de diferença para avançar até a quarta fase da Copa do Brasil. Caso vença pela diferença mínima, independente do placar, precisará derrotar os catarinenses nos tiros livres da marca de pênalti.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
PaixãoPorFutebol Fluminense

O começo deu a impressão de que o Fluminense golearia mais um adversário na temporada. Logo aos onze minutos, depois de bela trama de Gilberto e Robinho pela direita, Pedro dominou dentro da área e, de pé direito, chutou sem qualquer oportunidade de defesa para Jéferson.

Diante da fragilidade do Nova Iguaçu, o elenco dirigido por Abel Braga não demorou a ampliar. Aos 18 minutos, Sornoza cobrou escanteio e Reginaldo, inexplicavelmente desmarcado, não teve qualquer dificuldade para, de cabeça, estufar as redes.

Os 2 a 0 no placar e a tranquilidade no jogo levaram o Fluminense a diminuir bastante o ritmo. Com passes laterais e pouca mobilidade, o Tricolor não ameaçou a meta defendida por Jéferson. Como o Nova Iguaçu também era ineficiente no seu sistema ofensivo, o restante do primeiro tempo foi arrastado.

O quadro não mudou na segunda etapa. Burocrático, o Fluminense se limitava a controlar a bola, mas não deu um chute sequer.

Publicidade

Aos 22 minutos, um susto. Depois de falta de longe, Júlio César falhou e Iuri Pimentel, que havia acabado de entrar na vaga de Vinícius Paquetá, cabeceou para diminuir o placar.

Com o gol, parecia que o Nova Iguaçu fizesse uma pressão em busca do empate. Ledo engano. Surpreendentemente, o time da Baixada, receoso em não ter prejuízo no saldo de gols, passou a apenas cercar o Fluminense, que, com a vitória assegurada, passou a gastar o tempo, já pensando no meio de semana.

Publicidade

Na saída do gramado, Júlio César tentou justificar a sua falha no gol do Nova Iguaçu. Segundo o arqueiro, isso só aconteceu porque o gramado do Maracanã está em péssimas condições.

"Notória a vergonha que ficou a implantação do Maracanã. A bola quica e faz uns movimentos. A gente vai para fazer o movimento e a bola muda de direção. Uma vergonha a reforma que fizeram no Maracanã", resumiu o goleiro tricolor.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 2 X 1 NOVA IGUAÇU

Competição: Campeonato Carioca - Taça Rio (penúltima rodada)

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Horário: 19h30 (horário de Brasília)

Árbitro: Lenílton Rodrigues Gomes Júnior, auxiliado por Danielo do Espírito Santo Parro e Ivan Silva Araújo

Cartões amarelos: Reginaldo (FLU); Daniel Damião (NIG)

Cartões vermelhos: Nenhum

Gols: Pedro (11'/1ºT) e Reginaldo (18'/1ºT)); Iuri Pimentel (21'/2ºT)

Fluminense: Júlio César, Reginaldo, Gum e Ibañez; Gilberto, Douglas, Jadson, Sornoza e Ayrton Lucas; Robinho (Matheus Alessandro) e Pedro (Pablo Diego)

Técnico: Abel Braga

Nova Iguaçu: Jefferson, Daniel Damião, Murilo Henrique, Raphael Azevedo e Lucas; Vinícius Matheus (Iuri Pimentel), Paulo Henrique (Raphael Neuhaus), Caio Cezar, Wescley e Dieguinho; Vinícius Paquetá (Robinho)

Técnico: Edson Souza

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo