Os mais antigos costumam – sabiamente – dizer que o “barato pode sair caro”. E isso pode muito bem ser aplicado a um dos reforços do Santos que chegaram para esta temporada, que entrou em campo apenas duas vezes como titular e pode até mesmo deixar o clube antes mesmo do término do Campeonato Paulista, já que a diretoria se viu obrigada a contratar outro atleta para atuar na posição.

Última contratação da gestão de Modesto Roma Júnior, o lateral-esquerdo Romário chegou do Ceará sem custos para o Peixe e com a moral de ter sido um dos destaques do time nordestino na campanha do acesso para a primeira divisão do Campeonato Brasileiro.

Ele chegou com a missão de ocupar o lugar de Zeca, que ainda briga na Justiça com o Peixe, porém precisou apenas dos jogos contra Linense e Bragantino para o técnico Jair Ventura se convencer que ele não tinha condição técnica de jogar pelo clube. O jogador foi sacado na terceira rodada para a entrada de Caju, que também não agradou e não demorou a perder a posição, agora para Jean Mota, que passou a jogar improvisado. Para solucionar a questão, a diretoria foi buscar Dodô na Sampdoria.

Com contrato até o final de 2022, agora a diretoria do Santos estuda emprestá-lo para outro clube, muito provavelmente retornando ao Ceará.

Incômodo com sequência negativa

O lateral-esquerdo Dodô, contratado justamente para ocupar a vaga de Romário, mal chegou ao clube, mas já fala como um jogador veterano da casa. Nesta sexta-feira (9), ele concedeu entrevista coletiva, onde falou sobre a incômoda sequência negativa do Peixe, que já não vence há três jogos, sendo dois pelo Campeonato Paulista e um pela Copa Libertadores da América. Para superar isso, o jogador pediu mentalidade vencedora para seus companheiros.

Tomando como base livros que leu na Itália e depoimentos, Dodô aprendeu que o esporte é feito da parte mental.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Santos PaixãoPorFutebol

“Preparação física, técnica e tática são feitas coletivamente, times se preparam bem, mas lado mental é muito importante”, disse o jogador. “Mentalidade vencedora leva longe”, seguiu.

O atleta explicou que os jogadores têm que se sentir incomodados com a derrota e não podem usar fatores adversos como justificativa ou desculpa. Para ele, “álibi não é bom”. “Não procurar álibi. Procurar vencer”.

O Santos volta a jogar pelo Campeonato Paulista neste domingo (11), às 17 horas, contra o São Bento, na Vila Belmiro, pela última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista.

Já classificado, o Peixe depende de uma vitória para também assegurar o primeiro lugar do grupo D e assim fazer o jogo de volta das quartas de final, contra o Botafogo, como mandante.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo