A torcida do Santos acordou nesta quinta-feira (26), com a notícia bombástica dando conta de que o atacante Diogo Vitor foi pego no exame antidoping, após partida contra o Botafogo de Ribeirão Preto, válida pelas quartas de final do Campeonato Paulista. O clube, após receber os resultados, já solicitou uma contraprova, mas suspendeu o atleta de 21 anos preventivamente de suas atividades no clube.

O comentarista da Rede Globo, Walter Casagrande, que durante muitos anos lutou contra o vício das drogas falou nesta manhã, durante o programa “Seleção SporTV” sobre o caso e usou suas próprias experiências para apontar uma solução que deve ser tomada, tanto pelo clube, como também pela CBF.

Publicidade
Publicidade

De imediato o ex-jogador se posicionou contra a punição do jogador. “Não pode ser punido. Quem é pego em exame antidoping por droga social não pode ser punido”, disse.

“Ele foi pego com cocaína, é muito claro que ele não conseguiu não usar a droga sabendo que ia ter o exame. Ele está com problema”, seguiu o comentarista. “Não é punição que ele (o jogador) precisa. Ele precisa sair do cenário e exigir que ele faça um tratamento. Ele é uma pessoa que está iniciando uma doença”.

Casagrande acredita que aquela ocasião não foi a primeira em que o jogador do Santos teve contato com a droga e que é preciso agir para que o garoto não se torne um dependente. “Seria burrice, usar na véspera do jogo”, analisou. “O processo tem que ser cortado. Pode virar dependente ou usuário”, seguiu.

Para ele, a partir do momento que um jogador não consegue resistir à tentação de usar a droga antes de um jogo ele já caiu na dependência. “Se você viu a cocaína e não resistiu, ela já está mandando”, disse.

Publicidade

“Se você não tiver ajuda, logo você não vai ter a escolha de ir ao cinema, você vai escolher cheirar, não vai ter a escolha de ir namorar, você vai escolher cheirar. Isso acontecia comigo”, disse o ex-jogador citando seu próprio drama como exemplo. Ele voltou ainda a defender que o jogador não seja punido e sim seja submetido a um tratamento.

Os sumiços do jogador, ainda na época em que fazia parte das categorias de base do clube também foram lembrados no programa.

Para Casagrande, aquilo já era um indício de que o jogador tinha problemas e ele não se mostrou surpreso com o que aconteceu agora. “Era claro que isso ia acontecer”, disse o comentarista. “Não estou surpreso com nada. Ele já era deslumbrado sendo juvenil”, seguiu o ex-centroavante, afirmando que Santos, já deveria ter tomado medidas para blindar o atleta.

Leia tudo