O futebol brasileiro perdeu mais um jogador que fez relativo sucesso na década de 90. Com passagens por Santos, Palmeiras e principalmente no Criciúma, onde foi tricampeão estadual, além de conquistar o título da Copa do Brasil em 1991, naquele time que era dirigido por Luiz Felipe Scolari, morreu neste domingo (13), com apenas 54 anos de idade (o qual completaria nesta segunda-feira), na cidade de Fernandópolis, no interior de São Paulo, José Carlos Soares, ou simplesmente Soares, vitimado por um infarto fulminante. O ex-atacante havia tido uma parada cardíaca e estava internado desde a última sexta-feira (13). [VIDEO]

Depois de se aposentar do futebol, Soares passou a viver em Fernandópolis, onde tomava conta de um jornal especializado em futebol amador da região de São José do Rio Preto e também participava de campeonatos locais.

Ele deixa três filhos e esposa e foi sepultado nesta segunda-feira (16), dia de seu aniversário, no cemitério Consolação, em Fernandópolis.

A carreira

Nascido em 16 de abril de 1963, em Morro Agudo, no interior de São Paulo, Soares começou a carreira jogando no pequeno Orlândia FC, em 1980. Aos 19 anos, foi convocado para defender a seleção paulista de juniores, o que lhe rendeu uma transferência para o Londrina, depois foi emprestado ao Quilmes da Argentina e ao retornar ao Brasil foi jogar no Fernandópolis. Ainda passou por Comercial do Mato Grosso do Sul, Bahia e Juventus.

Sua grande oportunidade em um time grande de São Paulo veio em 1988, quando foi contratado pelo Santos. [VIDEO] Na Vila Belmiro teve alguma oportunidades nos campeonatos paulista e brasileiro, mas não conseguiu uma sequencia de jogos por conta disso foi negociado com o Mogi Mirim.

A carreira do jogador engrenou mesmo ainda em 1988, quando foi contratado para jogar no Criciúma, onde se tornou o segundo maior artilheiro da história do carvoeiro e ainda conquistou três títulos catarinenses e participou da maior conquista do clube: o título da Copa do Brasil em 1991.

Palmeiras na era Parmalat

O desempenho do jogador chamou a atenção do Palmeiras, que já vivia a histórica era Parmalat. Ele chegou por empréstimo para ser reserva do ídolo Evair, porém sua passagem no Palestra Itália foi curta, se resumindo a três jogos – todos eles com vitória -, e um gol. Depois disso, ainda teve outras duas passagens pelo Criciúma, defendeu o Taquaritinga, além de jogar no futebol da Arábia Saudita e Turquia.