A euforia e alegria pela importante vitória diante do Estudiantes, [VIDEO] na terça-feira (24), e que deixou o Santos com a classificação encaminhada para a segunda fase da Copa Libertadores da América duraram pouco. Nesta quinta-feira pela manhã (26), uma verdadeira bomba caiu sob a Vila Belmiro, com o resultado positivo do exame antidoping de uma de suas principais revelações, o atacante Diogo Vitor.

A substância encontrada no organismo do jogador não foi revelada e, por conta do resultado, o atleta de 21 anos, por decisão do próprio clube, já está suspenso preventivamente e uma contraprova já foi solicitada pelo Alvinegro.

Diogo Vitor foi sorteado pela Federação Paulista para fazer o exame na partida contra o Botafogo, de Ribeirão Preto, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, disputada no dia 21 de março, na Vila Belmiro.

Ele entrou aos 22 minuto do segundo tempo, em substituição a Jean Mota, e marcou um gol na decisão de pênaltis, que culminou com a classificação santista para as semifinais do estadual. O Santos revelou o fato em comunicado oficial divulgado em seu site.

Apesar de já ter afastado o jogador das atividades no clube, se colocou à sua disposição. “O Santos, desde já, coloca-se à disposição de Diogo Vitor neste delicado momento de sua vida”, divulgou o time.

O flagrante [VIDEO] no antidoping interrompe uma ótima sequência que o jogador vinha tendo na equipe do técnico Jair Ventura. Nesta temporada, ele atuou em oito partidas e marcou um gol, o que garantiu o empate em 1 a 1 no clássico diante do Corinthians, no Estádio do Pacaembu.

Histórico de sumiços

A passagem de Diogo Vitor pelas categorias de base do Peixe foi bastante conturbada, incluindo três sumiços que atrasaram a ida do jogador para a equipe profissional. Em entrevista ao site Globo Esporte, em julho do ano passado, época em que vinha se destacando pela equipe B, o jogador disse que estava mais maduro .

“O tempo está passando, e procurei mudar no meu dia a dia, até mesmo fora de campo”, disse na ocasião. O último sumiço do atleta do clube havia sido em novembro de 2016, quando teve uma lesão muscular e não se reapresentou para a pré-temporada no início do ano seguinte, o que gerou irritação do então técnico Dorival Júnior.

“Diogo não merece ser falado. Vamos evitar falar de um garoto que não quer nada para a vida dele”, disse ele na ocasião. Mesmo com a indignação do treinador, a diretoria manteve o contrato do atleta, apesar de ter suspendido seus salários.