O Palmeiras acabou perdendo o título do Campeonato Paulista para o arquirrival Corinthians, ainda dentro de casa, na arena Allianz Parque, tendo conquistado uma vantagem fora de casa, na Arena de Itaquera, por um gol de vantagem.

Dentro de casa, o Verdão, ao começo da partida, tomou um gol do meio-campista Rodriguinho e a partida foi para as penalidades máximas, onde o Timão levou a melhor e conquistou o bicampeonato consecutivo da competição, já que também conquistou este no ano passado.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Uma grande polêmica traçou esse último clássico, pois o árbitro havia marcado um pênalti do volante Ralf (Corinthians) em cima do ponta-atacante Dudu (Palmeiras), porém este foi anulado após o juiz ter conversado com o quarto árbitro e voltou em sua decisão.

Pedido de anulação

A diretoria do Palmeiras ficou inconformada com a situação, pois chegaram à conclusão de que teria havido uma interferência externa na decisão final do primeiro árbitro, alguma informação que teria vindo do lado de fora.

Com isso, o presidente do Palmeiras entrou na TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) com um pedido para anular a segunda partida da final e decidir novamente a competição.

O pedido está no TJD e será analisado pelo tribunal, mas a FPF (Federação Paulista de Futebol) aproveitou para se defender e afirmar que não houve quaisquer interferências externas, ainda ressaltando que a decisão do árbitro foi correta.

A Federação Paulista admite, sim, que houve um erro, pela demora na volta da decisão de não marcar a penalidade, mas este é um erro admissível e não é motivo para anular a decisão.

O Palmeiras ainda segue com o pedido e, caso seja comprovado, a final pode ser anulada.

Provas do Verdão

A diretoria do Palmeiras declarou ter provas de que houve uma interferência externa, ests ainda não foram mostradas ao público, somente ao TJD, que deve analisar se houve ou não o erro.

A FPF afirmou que o Palmeiras está tentando aplicar o "tapetão" para conseguir conquistar este título paulista.

O presidente do Palmeiras, Maurício Galliote, havia afirmado que não iria ligar para o Campeonato Paulista, visando coisas maiores, mas após ter juntado algumas provas, a diretoria do clube resolveu entrar na Justiça Desportiva contra a arbitragem da partida.

Evidentemente a FPF não deixará barato e irá se defender, agora basta analisar os próximos passos desta investigação contra a arbitragem da final.