Entidade máxima do Futebol, a FIFA comunicou nesta sexta-feira, dia 27, que o presidente afastado da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Marco Polo Del Nero, está banido para sempre do esporte. A decisão foi tomada após Del Nero ter sido considerado culpado pelo crime de corrupção por ter recebido propina na venda dos direitos de transmissão de partidas. As informações foram veiculadas pelo portal UOL.

Além de ser banido de qualquer atividade profissional relacionada ao esporte, o dirigente também terá que pagar uma multa de 1 milhão de francos suiços à entidade, valor que representa cerca de R$ 3,5 milhões. A Fifa afirmou que Del Nero já foi notificado e que foi considerado culpado de violar os códigos de ética da confederação.

Em declaração à agência de notícias Reuters, Del Nero afirmou que a decisão “é um grande absurdo”. A defesa do cartola afirmou que irá recorrer no comitê de apelações da Fifa, na Corte Arbitral do Esporte (CAS) e na Corte Suíça.

Após a decisão da Fifa, Antônio Carlos Nunes – conhecido como Coronel Nunes – assume o comando da CBF de forma oficial. Ele já estava ocupando a cadeira desde o afastamento de Del Nero, em dezembro do ano passado. A presidência irá trocar de comando novamente em abril de 2019, quando Rogério Cabloco, eleito no último dia 17, assumirá o cargo máximo da entidade.

Por temor de ser preso, o dirigente tem evitado deixar o Brasil desde maio de 2015, quando uma ação dos Estados Unidos na Suiça prendeu sete dirigentes ligados à Fifa por acusações de corrupção, fraude e lavagem de dinheiro.

Entre os detidos estava José Maria Marin, também ex-presidente da CBF, que cumpre pena em Nova York. Del Nero conseguiu voltar para o Brasil, onde tem permanecido desde então.