O técnico Felipão, campeão do mundo em 2002, vem sendo especulado em vários clubes do Brasil. Após deixar o Guangzhou Evergrande, da China, técnico está livre no mercado [VIDEO], sendo sondado pelo Atlético Mineiro e Flamengo. Em entrevista ao canal por assinatura Esporte Interativo, ele negou um contato do Rubro-Negro, mas não descartou um contrato no futuro.

''Flamengo apenas falaram, a imprensa principalmente. Não houve contato. É um clube que interessaria. Eu poderia conversar, desde que tivesse uma ideia. Eles têm eleições neste final de ano. Dessa forma, para quem quer um trabalho de dois anos, não se torna uma situação interessante'', destacou.

O Flamengo [VIDEO] terá eleições, por isso, qualquer contrato mais longo pode ser prejudicado imediatamente após a troca no comando do gigante do Futebol carioca. Após a saída de Carpegiani, muitos torcedores pediram Felipão, mas Barbieri acabou ganhando a oportunidade de mostrar serviço.

O Galo, após a demissão de Oswaldo de Oliveira, o procurou. Porém, ele descartou voltar a trabalhar antes do mês de abril, sugerindo que Thiago Larghi tocasse o trabalho.

''Atlético-MG procurou. Mais ou menos dois meses atrás nos conversamos uma situação. Eu disse: ‘Antes do mês de abril não irei fazer nada, conversar com ninguém’. Mais tarde voltamos a conversar. Eu disse: ‘Tem o menino que está trabalhando, coloquem como teste e depois veremos'', disse.

Porém, não são todos que apoiam o medalhão. Foi ele que comandou a Seleção Brasileira na goleada histórica contra a Alemanha, levando 7 a 1, no Mineirão, na Copa do Mundo do Brasil.

Depois disso, muitos o veem como um treinador ultrapassado. Vários times estão optando por dar oportunidade aos mais jovens, treinadores da nova geração.

Ainda na mesma entrevista, Felipão abriu o jogo e disse onde quer trabalhar, deixando a permanência no Brasil em segundo plano. ''Provavelmente irei sair do Brasil na metade do mês de maio. O projeto na Inglaterra praticamente não existe mais. Tenho um projeto para voltar para a China, país que sai e gosto muito. Também tem os Emirados Árabes, onde sempre quis trabalhar e que pode ser a situação nova para evolução do futebol no local. Tem o futebol mexicano, clube, também em tratativas'', afirmou.

Na China, Felipão comandou o Guangzhou, virou ídolo. Após uma série de títulos importantes, ele deixou o país asiático com festa da torcida e muitos agradecimentos ao treinador. Foram três títulos do Campeonato Chinês, duas copas e uma Liga dos Campeões da Ásia.