O técnico Unai Emery, de saída do Paris San Germain, em entrevista concedida à revista espanhola "The tatical room" começou a abrir o jogo sobre sua relação com Neymar e deste para com o clube.

O relacionamento do craque brasileiro com o técnico Unai Emery foi movido por muita especulação por parte de toda imprensa mundial, que afirmava que os dois não se entendiam. Essas noticias nunca foram confirmadas por quaisquer das partes, ou mesmo pelo PSG, que até certo ponto conseguiu blindar os bastidores do clube francês [VIDEO].

O técnico nunca se manifestou acerca do relacionamento com o jogador brasileiro, entretanto com a noticia confirmada de sua saída do comando da comissão técnica do time de Paris, a tendência é que a verdade comece a ser dita.

Em sua primeira manifestação, o técnico se limitou a dizer que o seu trabalho, bem como o da sua comissão técnica desde a chegada do atacante Neymar, era o de fazê-lo feliz. "O líder do PSG se chama Neymar. Tinha que fazê-lo feliz", afirmou o comandante.

Destarte, a direção do clube, a comissão técnica e o grupo de jogadores trabalham em prol do novo líder do clube parisiense. Naturalmente o desconforto dentro do elenco, tantas vezes noticiados nos mais diversos meios de comunicação, começam a ficar evidentes, pois alguns jogadores, dentre eles o uruguaio Cavani, se sentiram desconfortáveis com a nova situação.

A felicidade de um jogador pode colocar à prova a felicidade de todo o elenco

O primeiro objetivo de Neymar foi conquistado, qual seja, ser a referência de um grande time, tal qual o é Lionel Messi, no Barcelona, e Cristiano Ronaldo, no Real Madrid.

A condição de grandes craques e de liderança exercidas por Messi e Cristiano Ronaldo em seus clubes são inquestionáveis, entretanto Neymar em seus primeiros dias no novo clube não teve todo o apoio que talvez esperasse.

O episódio do pênalti [VIDEO] no jogo entre PSG e Lyon, cujo Cavani não cedeu ao pedido do brasileiro que queria bater o pênalti, ficou bem claro que Neymar teria problemas para exercer essa liderança.

Unai Emery deixa claro em sua entrevista que por diversas vezes teve que conversar às claras com Neymar e que em vários momentos o craque brasileiro não aceitou as sugestões do comandante.

A relação entre ambos se degastou e com o insucesso do time francês na Liga dos Campeões da UEFA, a saída do técnico foi anunciada. Restará ao novo técnico impor aos jogadores que ainda não aceitam essa liderança dada ao jogador brasileiro, esse entendimento.

Para o PSG se tornar um gigante da Europa, primeiro é preciso construir a felicidade de Neymar. No que tange ao técnico espanhol Unai Emery, resta esperar por novas entrevistas, pois ao que tudo indica, ele tem muito mais o que falar.