Victor Ferraz vinha sendo titular absoluto do Santos até machucar a clavícula na partida contra o Ituano, pelo Campeonato Paulista. Na ocasião, o técnico Jair Ventura já havia feito as três alterações, e, para não deixar o time com um jogador a menos, o lateral-direito seguiu na partida jogando com uma tipoia. Apesar do gesto de entrega, ele não escapou das vaias dos torcedores, que já pegavam em seu pé antes da contusão que lhe deixou longe dos gramados por praticamente três meses.

Recuperado, o jogador reassumiu sua posição na partida diante do Luverdense, pelas oitavas de final da Copa do Brasil e seguiu jogando no duelo deste domingo, contra o Paraná Clube, ambos os jogos disputados na Vila Belmiro.

Nesta segunda-feira (14), o jogador concedeu entrevista coletiva, onde falou desse período no estaleiro e também das críticas que tem recebido.

Falando aos jornalistas, o lateral-direito descreveu seu período de recuperação, destacando que se dedicou ao máximo para voltar a ter as boas atuações que o consagraram com a camisa santista. O jogador revelou que abriu mão de muitas coisas para focar nos treinos e na recuperação. “Eu me regrei, abdiquei de muita coisa, descansei, foquei na recuperação e depois treinei muito”, relatou o atleta afirmando que era o primeiro a chegar e o último a sair dos treinamentos.

As boas atuações no ano passado chamaram a atenção do São Paulo – próximo adversário do Peixe no Brasileirão -, e uma transferência para o Morumbi foi fortemente cogitada. No entanto, o jogador reforçou seu desejo de permanecer na Vila Belmiro.

Para ele, bater metas e estabelecer recordes com a camisa alvinegra é algo que lhe interessa mais do que dinheiro, e se defendeu da acusação de ser mercenário.

“Dinheiro é um negócio que nunca me seduziu. Naquela época, muito torcedor me chamou de mercenário”, disse Ferraz afirmando que até concordava com as críticas por conta de suas atuações dentro de campo, porém esse tipo de acusação era algo que lhe doía. “E eu estava longe de ser mercenário pelas coisas que passei no clube”, disse o lateral, revelando que antes de renovar com o clube não estava sequer entre os 20 maiores salários pagos pelo Santos.

Cruzamentos

O cruzamento era o fundamento que os torcedores mais pegavam no pé de Victor Ferraz, que reconheceu a deficiência e disse que tem muito para melhorar no quesito. “Treinei bastante e estou cobrando a molecada para cair perto da área para cavar falta ali”, disse o atleta em meio aos risos.